Etanol: Mercado: Gasolina

Preço do petróleo americano derrete e fica negativo pela 1ª vez na história


Folha de S. Paulo - 22 abr 2020 - 07:23

O contrato futuro de maio do barril de petróleo WTI (West Texas Intermediate), referência nos Estados Unidos, colapsou nesta segunda-feira (20), antes do seu vencimento nesta terça (21), e pela primeira vez na história fechou no terreno negativo.

O cenário reforça o desequilíbrio entre a oferta e demanda global e, segundo analistas, sinaliza para uma retomada de preços mais lenta, o que pode reforçar medidas de cortes de custos e suspensão de investimentos no setor.

O barril no tipo WTI caiu 289,4% na Bolsa de Chicago, fechando o pregão a menos US$ 37,63 (R$ 199,81) o barril. Isso significa, na prática, que os investidores estão pagando para se livrar da obrigação de receber os barris ao fim do vencimento.

petroleo 220420

Nos mercados futuros, como o de petróleo, compra-se o direito de receber o produto ao fim de determinado prazo – nesse meio tempo, pode-se negociar os papéis para realizar lucros em momentos de alta, ou rolar para novos contratos com prazo maior, mas as posições abertas no dia do vencimento envolvem entregas físicas do produto.

Nesse caso, o vencimento dos contratos se dá em meio a um cenário de queda histórica na demanda e estrangulamento da capacidade de estocagem, o que provocou uma correria entre os que estavam em posição comprada para se desfazer dos papéis.

“Ninguém quer o petróleo na mão, o estoque americano está no máximo do máximo. Para quem tem como estocar, vale a pena comprar, mas ninguém sabe por quanto tempo terá que guardar o óleo”, diz Alexandre Cabral, professor do Ibmec.

“É como se o produtor de petróleo estivesse pagando para alguém levar sua produção por que não tem mais onde estocar”, diz a diretora da Escopo Energia, Lavínia Holanda. “É uma anomalia, que nuca tínhamos visto antes”.

Cabral aponta que também contribuíram para a pressão vendedora os mecanismos de “stop loss” (interrupção de perdas, em inglês), que são vendas automáticas de fundos de investimento quando determinado ativo atinge o limite de perda aceitável.

Para não ter mais prejuízo, o fundo se desfaz de todos os papéis do ativo, independente do preço. Com grandes ordens de venda, o preço cai ainda mais.

Especialistas dizem que, embora inédito e preocupante, o fechamento negativo reflete uma pressão pontual pelo vencimento dos contratos de maio. O contrato de WTI com vencimento em junho, por exemplo, teve uma queda menos expressiva, de 18,4%, a US$ 20,43.

Já o barril de petróleo Brent de junho, negociado na Bolsa de Londres e referência internacional, caiu 8,9%, a US$ 25,57, menor valor desde 1º de abril. O contrato do Brent e maio venceu em 31 de março.

Ainda assim, é um indicador de que os preços internacionais do petróleo demorarão a se sustentar, já que o ritmo da retomada do consumo é incerto e há elevados estoques no mundo.

No centro de entregas de Cushing, em Oklahoma, o principal dos Estados Unidos, estão estocados 55 milhões de barris, perto da capacidade máxima de 76 milhões de barris. Além disso, há 160 milhões de barris, também um recorde, armazenados em navios, como alternativa para a falta de capacidade em terra.

No ano, o petróleo sofre uma forte desvalorização de cerca de 60%, com a guerra de preços entre Rússia e Arábia Saudita e a desaceleração econômica devido a medidas de combate ao coronavírus.

Os países exportadores chegaram a um acordo para reduzir em 9,7 milhões de barris por dia a produção a partir de maio, mas o mercado já tem dúvidas se o volume será suficiente para acomodar os preços – no mercado fala-se que a redução da demanda pode chegar a 30 milhões de barris por dia.

A forte queda da commodity derrubou as principais Bolsas globais. Nos EUA, Dow Jones caiu 2,4%, S&P 500, 1,5% e Nasdaq, 1%. No Brasil, o Ibovespa fechou estável, a 78972 pontos. As ações preferenciais (mais negociadas) da Petrobras caíram 1%, a R$ 15,95, enquanto as ordinárias (com direito a voto) tiveram queda de 0,9%, a R$ 16,55.

O analista da corretora Ativa, Ilan Arbetman, diz que, por ter 70% de sua receita com vendas no Brasil e a China como principal cliente das exportações, a estatal sentiu menos a variação nas bolsas nesta segunda.

A empresa já havia anunciado corte de investimentos, suspensão de dividendos, redução de salários e produção, além de um empréstimo de R$ 40 bilhões para enfrentar a crise. Arbetman diz, porém que a manutenção de preços tão baixos vai exigir medidas mais profundas. “Agora é pensar na subsistência”.

Holanda acrescenta que o cenário atual deve levar a postergações de investimentos na exploração de petróleo no país, interrompendo retomada ensaiada nos últimos anos, após os primeiros leilões do pré-sal do governo Temer.

“Tinha gente na indústria montando equipe, contratando serviços”, afirmou. Com a perspectiva de adiamento de investimentos exploratórios, ela vê impacto no emprego do setor, principalmente em prestadoras de serviços terceirizadas.

No pregão desta segunda, o dólar comercial fechou em alta de 1,3%, a R$ 5,3080, maior valor desde 3 de abril, quando a divisa foi ao recorde de R$ 5,3270. Na máxima da sessão, o dólar foi a R$ 5,3210. O turismo está a R$ 5,60 na venda.

Além da turbulência do mercado financeiro internacional, a moeda reflete a tensão política brasileira, após líderes do Legislativo e Judiciário repudiaram a participação do presidente Jair Bolsonaro de um ato pró-golpe no domingo (19).

Júlia Moura e Nicola Pamplona
Com informações da Reuters

Tags: Petróleo