Etanol: Mercado: Gasolina

O petróleo não será mais o mesmo quando a pandemia passar

Fontes de energia renovável podem ocupar o espaço deixado pelos cortes na produção e crise no setor


Bloomberg / O Estado de S. Paulo - 15 jun 2020 - 08:25

Com aviões em solo, carros estacionados, fábricas fechadas e escritórios escuros, a covid-19 abriu um grande buraco na economia do setor de energia e redirecionou seu futuro de maneira que dificilmente poderia ter sido imaginada quatro meses atrás.

Mesmo quando o mundo retomar o “novo normal”, o básico dos negócios refletirá o legado da pandemia de 2020. O carvão sofreu um golpe sério. Alguns analistas já se perguntam se ultrapassamos o pico do petróleo, ou seja, se vamos queimar novamente 100 milhões de barris por dia. Os investidores aprovarão os terminais e usinas a gás natural com uso intensivo de capital?

Os defensores das fontes renováveis de energia acreditam que podem sobreviver aos desafios de preços num futuro próximo e emergir mais fortes do que nunca. Muita coisa é inconcebível agora.

Um segundo surto de covid-19 poderia arrasar a economia por muitos meses. Mesmo agora, otimistas e pessimistas discutem sobre o provável ritmo de recuperação. Se o presidente Donald Trump for reeleito em novembro, pode-se esperar que ele seja gentil com os combustíveis fósseis.

Joe Biden prometeu, se eleito, voltar aos acordos climáticos de Paris, estabelecer novos padrões de economia de combustível para veículos, promover energias renováveis e pressionar pelos acordos ligados ao carbono até 2025.

“A tendência para uma energia mais verde e renovável é imparável”, diz Andres Gluski, CEO da AES, que opera usinas de geração elétrica e está desenvolvendo baterias de íons de lítio em projetos em todo o mundo. De Washington a Nova Délhi, ele disse, as pessoas estão vendo os benefícios de céus e ar mais limpos durante a paralisação e não querem voltar ao que era antes.

No entanto, há o aceno de estradas abertas e gasolina barata. “Se você perguntar a muitos americanos e disser que diminuímos nossas emissões de CO2 em 11% em 2019, eles dirão que estou presa em minha casa e estou desempregada, então se é isso que é preciso para combater as mudanças climáticas, não, obrigado”, afirma Kate Konschnik, diretora do Programa de Clima e Energia do Instituto Nicholas para Soluções de Política Ambiental da Duke. “Esse é um risco real daqui para frente”.

Os dois maiores consumidores de energia nos Estados Unidos são geração e transporte de eletricidade. As empresas de energia dependem de gás natural, quantidades cada vez menores de carvão, reatores nucleares e uma crescente ajuda de fontes renováveis.

As usinas a gás e a carvão são as mais fáceis de ajustar durante o dia; Gluski diz que os avanços tecnológicos das baterias de armazenamento em breve tornarão a energia eólica e a solar competitivas nesse quesito. O transporte é quase inteiramente movido a petróleo – de aviões a caminhões, carros, motocicletas, trens de carga, rebocadores, tratores e balsas. Etanol e eletricidade desempenham um pequeno papel. A produção de petróleo em solo americano sofreu uma redução de 12% desde fevereiro, tudo devido à desaceleração econômica e às ordens de isolamento decorrentes da pandemia.

O desafio do xisto

A produção de petróleo começará a subir novamente algum dia – mas com que rapidez e até que ponto? Em Dakota do Norte, 55 plataformas estavam trabalhando na formação de xisto Bakken quando o ano começou. Hoje, apenas 13 ainda estão em operação.

Os poços que produzem 550 mil barris por dia foram fechados – desligados, com efeito – no estado. Um grande operador, a Whiting Petroleum, declarou falência. Em Oklahoma, acredita-se que o pioneiro, a Chesapeake Energy, esteja indo na mesma direção.

As empresas de serviços de campos petrolíferos demitiram trabalhadores e cortaram horas de trabalho. Algumas pessoas receberam uma indenização de dois meses através do Programa Federal de Proteção ao Pagamento. “A economia fará o que a economia sempre faz”, diz o chefe do Conselho de Petróleo de Dakota do Norte, Ron Ness. “Até vermos a demanda se recuperar, não temos ideia do que vai acontecer”.

Houve alguma recuperação em relação aos números sombrios de abril. O preço futuro do West Texas Intermediate (WTI) está próximo dos US$ 40 por barril. Alguns dólares a mais, disse Ness, e alguns poços fechados podem recomeçar.

“Mas o que impulsiona a economia”, advertiu ele, “são novos poços e novos investimentos”. E isso pode exigir um preço de volta na faixa de US$ 50 a US$ 60, para recuperar a confiança de investidores e de instituições financeiras.

Apesar das demissões, um problema a ser enfrentado é manter intacta a força de trabalho treinada. A maioria das pessoas nos campos de petróleo do oeste de Dakota do Norte é originária de algum outro lugar e, se pudessem encontrar trabalho, muitos poderiam ficar felizes em voltar às origens. É essencial, disse Ness, ter trabalhadores “prontos para acelerar quando você precisar deles”.

Os choques do petróleo

É provável que haja um abalo no setor. Não seria a primeira vez. “Muitos dos negócios foram altamente alavancados”, diz o secretário de Energia, Dan Brouillette, em uma conversa em vídeo com o vice-presidente do HIS-Markit, Daniel Yergin.

“Eu acho justo dizer que você verá alguns desses negócios se perderem no caminho. Eles podem ser comprados por players maiores, eles podem simplesmente fechar e se afastar. Esse é o sistema de livre mercado. É assim que funciona aqui nos Estados Unidos. Mas não tenho dúvidas de que em alguns meses, ou talvez seis meses, veremos nossa indústria quase de volta ao que eram os níveis pré-pandêmicos. Isso pressupõe, é claro, a abertura da economia”, afirma.

Se houver uma recuperação acentuada no final deste ano ou no início de 2021, os analistas esperam que o preço do petróleo atinja ou supere o ponto de inflexão de US$ 50. O excesso que ajudou a derrubar os preços levou tanta produção a ser cortada que, uma vez esgotado o excedente, os produtores podem ter de se esforçar para atender novamente à demanda. Mas isso pressupõe uma recuperação acentuada. A economia pode estagnar. Ou as pessoas poderiam repensar tantas viagens. Milhões conseguiram trabalhar em casa.

A videoconferência, apesar de todas as suas falhas, poderia substituir muitas viagens de negócios. Se o vírus persistir, os turistas podem relutar em embarcar em aviões novamente. E se Gluski e Elon Musk, o magnata da Tesla, conseguirem, o transporte se aproximará de usinas de energia elétrica e se afastará do petróleo.

Até o chefe da BP, Bernard Looney, disse recentemente que é hora de acelerar o fim do motor à combustão. E as políticas públicas de eletricidade – quase no mundo todo – favorecem fortemente as energias renováveis e desencorajam o carvão.

O futuro das energias renováveis

O chefe de planejamento global de energia da S&P Global Platts, Bruno Brunetti, apontou em um webinar que as usinas a carvão tendem a ser mais antigas e que as que estão ociosas agora por causa da queda na demanda dificilmente serão reiniciadas se a paralisação se estender por vários meses. A maioria das usinas nucleares do mundo também está caminhando para a aposentadoria, disse ele.

Seu colega, Roman Kramarchuk, especialista em cenários energéticos, disse que os países europeus, pelo menos, não vacilam em energias renováveis, mesmo quando suas economias e os preços dos combustíveis fósseis caem. “Não estamos vendo uma desculpa para voltarmos à transição energética”, afirmou.

Como Gluski salienta, as instalações de energia eólica e solar são extremamente baratas para operar, uma vez que o equipamento esteja instalado e funcionando. O armazenamento para atender às horas de demanda tem sido um obstáculo, mas ele argumenta que o desenvolvimento da bateria em breve tornará o armazenamento, mesmo em larga escala, uma realidade.

De todos os combustíveis, o gás natural tem os usos mais diversificados. Quantidades aproximadamente iguais vão para geração e manufatura de energia, com outra grande parcela dedicada ao aquecimento e cozimento. Isso poderia torná-lo um pouco menos suscetível a variações bruscas de demanda. Seu preço historicamente baixo se manteve bastante estável durante a pandemia, mesmo quando o consumo caiu cerca de 2% em todo o mundo porque, à medida que os poços de petróleo são fechados, o gás que eles estavam capturando como subproduto também fica no chão.

Nos Estados Unidos, as pessoas gostam de dizer que querem que o mercado conduza as decisões, mas a política e a opinião pública tendem a dominar no final. “Nós decidimos que gostamos de não ter tantos carros entupindo as ruas do centro da cidade e vamos tornar isso o novo normal?”, perguntou o professor de ciências da terra na Duke, Drew Swindell. “Ou decidimos que a economia está em péssimas condições e precisamos despejar dinheiro em coisas testadas e verdadeiras, como sustentar as indústrias de combustíveis fósseis?”.

De qualquer forma, não é o mercado que está dando o que falar.

Will Englund
Com tradução O Estado de São Paulo


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail