PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Etanol: Mercado: Gasolina

Os países que têm a gasolina mais cara e a mais barata – e onde o Brasil fica no ranking

Brasil tem, atualmente, a segunda gasolina mais cara entre países sul-americanos


BBC - 20 jun 2022 - 09:20

Apesar do petróleo ser um commodity, ou seja, uma matéria-prima que tem o preço determinado uniformemente pela oferta e demanda internacional, o preço final para o consumidor da gasolina – e de outros derivados de petróleo, como diesel e gás GLP – varia ao redor do mundo.

Na última semana (de 7 a 13 de junho) o preço do litro da gasolina para o consumidor ia de US$ 0,02 (R$ 0,11) na Venezuela a US$ 3 (R$ 15,4) em Hong Kong, segundo o ranking Global Petrol Prices, que pesquisa os preços em 168 países, semanalmente na maioria deles.

Além da Venezuela, os países onde a gasolina está mais barata são Líbia, Irã, Síria, Argélia, Kuwait, Angola, Nigéria, Turcomenistão e Malásia.

E os lugares onde ela está mais cara são Hong Kong (168º na ordem do mais barato para o mais caro), Noruega, Dinamarca, Finlândia, Islândia, Grécia, Países Baixos, República Central Africana, Mônaco e Singapura.

O Brasil está em 83º lugar na lista, com a gasolina a US$ 1,41 (R$ 7,25) na média – ou pelo menos ficava na semana passada, antes do reajuste de 5,2% anunciado pela Petrobras no preço do combustível na refinaria (que compõe 38% do valor para o consumidor final).

Motivos da variação

O preço do barril de petróleo, definido internacionalmente, é determinado por dois tipos de fatores. “Os fatores endógenos, ou seja, que têm a ver com a própria indústria, como oferta e demanda”, explica o economista Maurício Canêdo, professor da Fundação Getúlio Vargas, “e fatores exógenos, como guerras, ataques terroristas etc.”.

“No momento, o mundo todo está pagando caro pelo barril de petróleo por causa da guerra (na Ucrânia)”, afirma o economista.

Ainda de acordo com ele, o preço varia de acordo com o câmbio da moeda local para o dólar. Outros fatores incluem a lógica tributária e as políticas de subsídios de governos nacionais.

Transição energética

Os países que estão no topo do ranking das gasolinas mais baratas são produtores de petróleo ou têm o combustível quase totalmente subsidiado pelo governo. Ou as duas coisas, como é o caso da Venezuela.

Além disso, a variação tem outro padrão: a gasolina tende a ser mais barata em países em desenvolvimento e mais cara em países desenvolvidos, com exceção dos EUA (76º) e da Austrália (77º). “A carga de impostos sobre o combustível é maior nesses países com o objetivo de desincentivar o seu uso, torná-lo menos competitivo e permitir a transição para energias renováveis”, explica Canêdo.

De maneira geral, os países do ranking onde a gasolina mais cara é resultado de políticas públicas de redução do impacto ambiental “são países onde não há uma desigualdade tão grande como no Brasil, onde a população mais vulnerável é desproporcionalmente afetada pela alta nos combustíveis, especialmente o preço do gás de cozinha”.

Preço da gasolina no Brasil

No Brasil, durante muito tempo, o preço da gasolina não tinha paridade com o preço internacional do barril. “No passado, o que se fazia era o que chamamos de controle ortodoxo: usar o balanço da Petrobras como ferramenta de controle de preços”, explica Canêdo.

Ou seja, se o preço do barril ou o da gasolina refinada importada estivesse muito alto, a Petrobras vendia mais barato do que comprava, ficando no vermelho.

Desde que foi instaurada a política de paridade de preços internacionais (PPI), a Petrobras tenta parear o preço da gasolina na refinaria com o preço internacional.

Mas o valor ainda está defasado, explica Pedro Rodrigues, sócio do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), e deve continuar mesmo com o aumento anunciado nesta sexta-feira, 17.

A defasagem média do preço médio da gasolina em relação ao mercado internacional na última semana estava calculada em cerca de 19%, segundo a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom). Segundo o banco Goldman Sachs, o reajuste não foi suficiente para zerar essa defasagem.

É possível segurar os preços?

Com a política de PPI, o governo perdeu a capacidade que tinha antes de controlar os preços da gasolina, do diesel e do gás praticados pela Petrobras, explicam os analistas. O governo ainda é acionista majoritário da empresa, portanto, indica o presidente e seis dos 11 membros do conselho de acionistas.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) tentou em maio demitir o presidente da Petrobras, José Mauro Pereira Coelho, que ele mesmo havia indicado, e os conselheiros apontados pelo governo, mas a mudança precisa ser aprovada na empresa, o que não é imediato.

No entanto, mesmo se o presidente e os conselheiros forem trocados, os executivos que os substituírem não têm mais espaço para evitar a paridade de preços por causa de uma série de regras de compliance (conjunto de normas para fazer com que a empresa cumpra regras legais e internas) adotadas pela Petrobras, afirma Pedro Rodrigues, do CBIE.

“O governo tem todo o direito de trocar o presidente da empresa e os conselheiros por pessoas mais próximas, mas os novos não podem simplesmente ignorar as regras. Eles podem responder legalmente como indivíduos se fizerem isso”, explica o analista. “Também causa estranhamento que a troca seja tão frequente (como tem sido no governo Bolsonaro)”.

No entanto, o governo ainda pode influenciar o preço para o consumidor através de políticas públicas. Na quarta-feira, o Congresso aprovou um projeto de lei para limitar a 17% a cobrança de ICMS (imposto estadual que incide sobre mercadorias e serviços). O projeto deve ser sancionado por Bolsonaro.

“É uma política pública válida, mas que tem impacto na entrada de recursos. O que precisa ser questionado é se é nossa prioridade nesse momento usar recursos públicos para conter os preços para todo mundo”, afirma Canêdo.

O economista defende que, para proteger as pessoas mais vulneráveis que são desproporcionalmente afetadas pela alta, o governo crie políticas de transferência de renda. “Como um vale-gás, por exemplo”, diz.

Privatizar a Petrobras diminuiria os preços?

Para Maurício Canêdo, a privatização não faria os preços da gasolina caírem, muito pelo contrário. “Com a privatização os preços seriam totalmente pareados, seria totalmente PPI”, explica ele. “Ou seja, sem a defasagem que temos hoje, eles na verdade iriam aumentar”.

“Há uma série de motivos para fazer a privatização, mas a diminuição dos preços não é um deles”, diz.

Já Rodrigues afirma que, no longo prazo, poderia haver uma série de vantagens no sentido de resolver problemas estruturais que encarecem o combustível no país, mas seria preciso que a privatização fosse feita com muito cuidado e planejamento.

“Com a vinda de investimento privado, é possível conseguir suprir a necessidade de capacidade para refino e criar infraestrutura de transporte”, diz ele. “Mas se a privatização foi feita de qualquer jeito, você corre o risco de substituir o modelo atual por um monopólio privado – o que não traz absolutamente nenhuma vantagem”.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
Card image


x