Etanol: Mercado: Gasolina

Preço da gasolina tem maior defasagem da gestão Graça Foster


Agência Estado - 30 jul 2013 - 09:38 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53

A Petrobras opera com o maior nível de defasagem no preço da gasolina e do diesel dos 17 meses de gestão Graça Foster. A executiva - que havia anunciado que os anos de 2012 e 2013 seriam uma espécie de freio de arrumação para um retorno efetivo ao aumento de produção em 2014 - foi atropelada pela disparada do câmbio, que descolou ainda mais os preços domésticos dos internacionais. Pela última avaliação do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), a gasolina está 25% mais cara que o padrão internacional e o diesel, 22,5%.

No próximo dia 9, a Petrobras divulga os resultados financeiros do segundo trimestre. O estrago do câmbio nas contas será amortecido pela nova contabilidade de hedge (proteção) adotada pela companhia. A crescente importação de derivados e o aumento do descompasso de preços voltam a comprometer a receita da estatal, tornando mais difícil a meta de investir R$ 92 bilhões neste ano.

"Essa maluquice de subsídio de preço para gasolina e diesel afeta a companhia no câmbio e no preço dos combustíveis", afirmou Adriano Pires, do CBIE.

O especialista lembrou que o balanço da Petrobras do segundo trimestre do ano passado registrou o primeiro prejuízo depois de 13 anos justamente por causa do câmbio. Na época, o mercado aguardava um lucro em torno de R$ 3 bilhões e a empresa reportou saldo negativo de R$ 1,346 bilhão. "O resultado refletiu o aumento da dívida em dólar. Este ano, a mágica contábil deve garantir o lucro e possibilitar a distribuição de dividendos. A União, como acionista majoritária, terá a contribuição da Petrobras para alcançar o superávit primário. Na verdade, com o hedge, a companhia apenas joga o problema para a frente."

A cotação do petróleo está relativamente estável em torno de US$ 107, mas é provável que o período de férias no Hemisfério Norte faça subir o preço em agosto, o que tornaria mais desconfortável a situação da estatal. Na semana passada, dados divulgados pela Administração de Informação de Energia dos EUA projetam para este ano o preço médio de US$ 105 para o barril de petróleo tipo Brent e US$ 100 por barril em 2014.

Outro fator que dificulta uma eventual campanha por novos reajustes, disse Pires, é o momento político, marcado por manifestações populares iniciadas pela reivindicação de redução das tarifas de transportes públicos.

Irany Tereza