BASF
Etanol: Mercado: Gasolina

Gasolina já aumentou 28% neste ano; diesel subiu 19%


O Globo - 28 nov 2019 - 08:39

Com o reajuste médio de 4% nos preços da gasolina vendida pela Petrobras nas refinarias, anunciado nesta quarta-feira pela estatal, o combustível acumula alta de 28% no ano. De acordo com dados levantados pelo Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), o preço da gasolina para os distribuidores passou de R$ 1,5087 o litro, no dia 2 de janeiro último, para R$ 1,9291 na quarta-feira.

Já o óleo diesel, que representa boa parte do custo de caminhoneiros, subiu menos no ano: 19%. O último reajuste foi no dia 19 deste mês e, atualmente, o combustível é vendido em torno de R$ 2,2038 por litro nas refinarias, contra R$ 1,8545 no primeiro dia útil do ano.

Segundo o CBIE, no último dia 19 o diesel estava 3,6% mais caro em relação às cotações internacionais, e a gasolina era 6,4% mais barata.

Edmar Almeida, professor do Instituto de Economia da UFRJ, avalia que a Petrobras está recompondo os preços da gasolina, que até outubro estavam abaixo das cotações internacionais, enquanto os preços do diesel ainda estão acima. “Não acredito que a Petrobras esteja represando os reajustes do diesel”, diz Almeida.

A Petrobras precisa manter os preços alinhados à cotação internacional para não ter prejuízo na importação de derivados. Por isso, David Zylbersztajan, consultor e ex-diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), também diz ser difícil que a estatal esteja represando o preço do diesel: “Não acredito porque causaria distorções dentro da própria companhia, criando um desbalanceamento em sua estratégia de preços dos combustíveis”.

A Petrobras explicou que, além das variações do câmbio e das cotações internacionais, os reajustes também consideram as condições de mercado específicas de cada produto e a análise do ambiente externo, permitindo à companhia competir de forma mais eficiente. “Dessa forma, a exemplo do que se observa em outros países, as variações dos preços de gasolina e diesel ocorrem de forma independente”, afirma.

Uma forma de reduzir o impacto dos reajustes para os caminhoneiros, o Cartão Caminhoneiro lançado pela BR Distribuidora ainda tem baixa adesão. São 15 mil inscritos, sendo 5 mil já utilizando o instrumento que permite comprar créditos antecipados para abastecimento em cerca de 300 postos credenciados em rodovias.

A BR, privatizada em julho, informou que pretende ampliar essa abrangência “e tem por objetivo atingir toda a rede de postos rodoviários com sua bandeira.”

Ramona Ordoñez