Etanol: Mercado: Gasolina

Mais austeros, Brasil, Argentina e México eliminam subsídios à gasolina


Bloomberg - 27 jan 2017 - 15:07

As maiores economias da América Latina estão eliminando os caros subsídios aos combustíveis em uma mudança rumo à austeridade fiscal, que ocorre no rescaldo da queda das commodities.

Brasil, Argentina e México recentemente se uniram à Colômbia e colocaram os preços nas bombas nos níveis internacionais, ou próximo disso, em decisão que, segundo a Moody’s Investors Service, gera impacto indireto positivo sobre a percepção de risco porque melhora a situação fiscal dos países. Até o momento as políticas estão sobrevivendo às manifestações de rua no México e aos baixos índices de aprovação no Brasil.

As produtoras estatais Petrobras e YPF registraram aumentos nos valores de suas ações cortando os subsídios que os governos anteriores usavam para conter a inflação e estimular a economia. As decisões fazem parte de uma tendência mais ampla, na qual vários líderes latino-americanos estão revertendo anos de políticas econômicas populistas para frear déficits fiscais e restaurar a confiança em suas economias.

“Esses países estão sob uma enorme pressão fiscal e estão reagindo a isso”, disse Samar Maziad, analista de títulos soberanos da Moody’s.

O presidente Mauricio Macri tornou a economia da Argentina mais competitiva desde que assumiu em 2015. O aumento de 8 por cento nos preços da gasolina neste mês contribuiu para a alta recente das ações da YPF, que tem sede em Buenos Aires, e os papéis atingiram o maior patamar em mais de um ano. A Argentina caminha para a completa liberalização dos preços até 2018. A YPF preferiu não comentar sobre o preço de suas ações.

O México elevou os preços em cerca de 20 por cento neste mês após abrir o monopólio da estatal Petróleos Mexicanos à concorrência estrangeira. O governo prometeu eliminar completamente os subsídios ao combustível no decorrer do ano. O chamado “gasolinaço” gerou protestos por todo o país, o que complicou a distribuição de combustível e deixou o índice de aprovação do presidente Enrique Peña Nieto em uma mínima histórica de 12 por cento. O México planeja outro aumento do preço dos combustíveis em 4 de fevereiro.

No Brasil, onde os subsídios drenaram um total estimado em US$ 40 bilhões da Petrobras entre 2011 e 2014, o presidente da empresa, Pedro Parente, tem mostrado maior independência em relação ao governo para fixar os preços dos combustíveis. Com Parente, a companhia estabeleceu uma nova metodologia de preço em outubro e implementou cinco ajustes desde então.

A Petrobras reduziu os preços da gasolina e do diesel em 1,4 por cento e 5,1 por cento, respectivamente, a partir da sexta-feira, em resposta à valorização do real em relação ao dólar. Em resposta enviada por e-mail, a empresa informou que os preços domésticos continuarão acima dos níveis internacionais.

“A Petrobras precisa travar sua política de preços para os combustíveis domésticos para reduzir a ansiedade do mercado em relação às mudanças de preços”, disse Filipe Gouveia, analista de petróleo do Bradesco BBI, em relatório de 17 de janeiro.

Sabrina Valle


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail