Etanol: Exportação

Empresas preveem pouco impacto do dólar na exportação de etanol


Agência Estado - 28 ago 2015 - 08:44

A valorização do dólar ante o real deve mexer pouco com as exportações brasileiras de etanol, de acordo com representantes do setor sucroenergético ouvidos pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. Na avaliação deles, mesmo com a moeda norte-americana perto de R$ 3,60 e com ganhos de 33% só neste ano, há pouca "janela" para embarcar. Além disso, a demanda fortalecida e a perspectiva de preços mais remuneradores durante a entressafra de cana-de-açúcar (dezembro a março) compensariam os custos com a estocagem do biocombustível, em detrimento da venda ao exterior.

"O ganho aparente de 5% a 10% que as usinas podem ter com o câmbio tem de ser comparado com aquele que elas terão com a venda do álcool nos meses subsequentes", explicou o CEO da trading SCA, Martinho Ono. Pelas suas projeções, o País deve exportar neste ano 1,3 bilhão de litros de etanol, em sua totalidade de anidro, abaixo do 1,5 bilhão de litros de 2014. "Não tenho visto exportação, a não ser em casos pontuais", acrescentou.

De acordo com Ono, a matemática por trás da preferência pelo mercado interno está na demanda. Só em julho, o consumo de hidratado, utilizado diretamente no tanque dos veículos, atingiu o recorde histórico de 1,55 bilhão de litros, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) compilados pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). Quando a entressafra chegar, a cotação desse biocombustível tende a subir, e se a demanda pender para a gasolina, encontrará um produto que leva 27% de anidro.

Na última semana, o hidratado estava cotado a R$ 1,1642 o litro e o anidro, em R$ 1,3471 o litro, conforme o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP). Os valores referem-se ao produto retirado na usina, sem impostos.

Os balanços das principais empresas do setor sucroenergético referentes ao primeiro trimestre do ano-safra 2015/16 (abril, maio e junho) provam que a exportação de etanol ainda não está no radar. O Grupo São Martinho, com quatro usinas em atividade, aumentou suas reservas de hidratado em 54,2% e as de anidro em 105,9% no período. Já a Raízen Energia, joint venture entre Cosan e Shell, com 22 unidades em operação, manteve seus estoques de álcool praticamente inalterados.

Arbitragem

Para Ono, o dólar perto de R$ 3,60 ainda não abre uma janela de competição para o etanol exportado pelo Brasil, o qual é direcionado principalmente para os Estados Unidos. Opinião semelhante é compartilhada pelo diretor da comercializadora Bioagência, Tarcilo Rodrigues. "Estamos no zero a zero", disse ontem. "(A janela) ainda está fechada. Dependendo do transcorrer do câmbio, pode se tornar competitiva", comentou.

José Roberto Gomes