BASF
Etanol: Mercado

Canaplan: Vantagem ambiental do etanol sobre a gasolina deve ser recompensada


Agência Estado - 10 nov 2015 - 10:14 - Última atualização em: 06 mar 2017 - 10:34

O diretor da consultoria Canaplan e presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Luiz Carlos Corrêa Carvalho, avalia que o futuro do etanol nos próximos 40 anos depende da valorização do combustível renovável sobre a gasolina. "De um lado temos um produto como a gasolina, com as externalidades negativas, e, do outro lado, o etanol, que tem menos energia que a gasolina. Se não for criado um prêmio pela qualidade ambiental do etanol, não há competição correta", disse Carvalho, cuja carreira como agrônomo no setor também completa este ano 40 anos, como o Programa Nacional do Álcool (Proálcool).

Entre as medidas sugeridas por Carvalho está a ampliação da Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (Cide) sobre a gasolina. "É preciso tratar a Cide não como um imposto arrecadador para o governo, mas como uma taxa de carbono favorável ao etanol. Aí, a capacidade competitiva do setor e o mercado fazem o resto", afirmou o consultor.

O futuro do etanol passará por grandes transformações, de acordo com o Carvalho, juntamente com o que irá ocorrer no mercado de combustíveis veiculares. "Você tem várias tecnologias de motores, como o híbrido (movido à energia elétrica e com combustíveis líquidos) e a célula a combustível. Por isso, não acredito no futuro que toda a mobilidade será dependente de um combustível apenas", disse. "Projetar o futuro imaginando bilhões e bilhões de litros de etanol ou de gasolina é bobagem", considera.