Etanol: Meio ambiente

Relatório indica que gigantes do petróleo ainda investem em fontes poluentes

Contrariando temor ambiental, petroleiras dos EUA e Europa elevaram os gastos com o combustível, mostra a OIC; não inclusa no relatório, Petrobras disse que produção de petróleo crescerá 25% até 2030


O Estado de S. Paulo - 28 set 2020 - 07:25

Instituto de pesquisa dos Estados Unidos especializado na indústria de petróleo, o Oil Change International (OIC) divulgou neste mês um relatório sobre o efetivo compromisso das grandes empresas de petróleo americanas (Chevron e ExxonMobil) e europeias (British Petroleum, Equinor, Repson, Shell, Eni e Total) com os efeitos das mudanças climáticas.

A constatação é que, nestas companhias, a produção de petróleo – e, portanto, a emissão de carbono na atmosfera – tende a crescer até 2030. No Brasil, a Petrobras segue o mesmo caminho. O coração do negócio da companhia (que não foi incluída no relatório) continua a ser o petróleo do pré-sal.

“Quase todas as grandes empresas de petróleo e gás vão contribuir ainda mais com a crise climática até 2030”, afirma o relatório, que segue: “Nenhuma delas liberou um compromisso ou plano de sustentabilidade que atenda aos critérios mínimos de alinhamento com o Acordo de Paris. Os governos vão precisar intervir para assegurar uma eliminação gradual (dos fósseis) que reflita a urgência e a ambição dos limites de temperatura (previstos no acordo)”.

O documento da OIC, elaborado a partir de projeções da consultoria Rystad Energy, faz referência ao acordo aprovado em dezembro de 2015 estabelecendo o compromisso de países para tentar conter o aquecimento global.

O que a OIC demonstra é que a presença do petróleo no cardápio de projetos das multinacionais está, na verdade, crescendo, com exceção da italiana Eni. Nas demais, o cenário é de avanço significativo, principalmente, nas gigantes ExxonMobil e Shell – que na próxima década devem elevar a extração de petróleo em 52% e 22%, respectivamente, segundo a OIC.

Já a produção de gás natural, considerado por especialistas como estratégico na transição para uma matriz energética mais limpa, deve perder força até 2030. Somente a British Petroleum, a ExxonMobil e a Shell planejam crescer neste segmento.

A OIC também analisou se as companhias petrolíferas pretendem reduzir a busca por novos reservatórios de petróleo na próxima década. Segundo o instituto, isso já acontece na companhia britânica – que em dez anos vai diminuir a busca por novos reservatórios em 30% – e na Eni – que seguirá a mesma trajetória daqui a cinco anos. As demais petrolíferas não preveem qualquer ação nesse sentido.

Petrobras

No Brasil, a projeção é de crescimento da produção de petróleo de pelo menos 25% até 2030, segundo relatório da FGV Energia, assinado pela ex-diretora geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) Magda Chambriard e pelo pesquisador Pedro Neves.

As estimativas são baseadas no plano de negócios divulgado pela Petrobras. Os insumos fósseis continuam sendo prioridade para a estatal e não há na empresa previsão de investimento em fontes renováveis na próxima década.

A exceção é um estudo para instalar turbinas eólicas flutuantes que devem fornecer energia apenas para o funcionamento de equipamentos submarinos de campos do pré-sal. Em suas refinarias, até vai misturar matéria-prima limpa ao petróleo, que deve gerar produtos menos poluentes que os atuais. Mas, nem assim, não vai se diferenciar muito de suas congêneres no mundo.

“A exemplo das multinacionais, a Petrobras vai seguir com foco na produção de petróleo. A diferença da estatal para as outras empresas, principalmente as europeias, é que planeja se ausentar por completo da indústria de geração de energia limpa. Em todo caso, tanto a Petrobras quanto as multinacionais continuarão sendo empresas sujas na próxima década”, avalia o coordenador técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), Rodrigo Leão.

Em evento na semana passada, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, considerou exagerada a posição de companhias petrolíferas que têm se posicionado pela aceleração do processo de transição energética. “(As empresas europeias) têm de responder à militância na Europa. Mas elas não têm oportunidade de crescer. Nós temos ativos de baixo custo. Há também um pouco de hipocrisia nisso tudo”, afirmou o executivo.

Fernanda Nunes

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail