Impostos

Tributaristas contestam proposta de Bolsonaro sobre ICMS de combustíveis

Presidente manifestou intenção de reduzir impacto de impostos no setor para atender a reivindicações de caminhoneiros


Agência Estado - 08 fev 2021 - 08:32

A intenção do governo federal de intervir no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) – de responsabilidade dos Estados – que incide sobre os combustíveis foi contestada por tributaristas consultados pelo Broadcast Político, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

A proposta foi anunciada nesta sexta-feira, 5, em entrevista coletiva que teve a participação do presidente Jair Bolsonaro e ministros, com a finalidade de reduzir impactos de impostos sobre os preços dos combustíveis, que tem gerado protestos de caminhoneiros, categoria que apoia majoritariamente o mandatário.

Para o tributarista Carlos Eduardo Navarro, “é de causar arrepios as notícias de que o governo federal propõe mudanças de ICMS no setor de combustíveis”. “Como se isso não bastasse, o governo federal possui instrumentos próprios para modificar a tributação sobre esses bens, notadamente o PIS/Cofins e a Cide combustíveis”, completa.

Para o ex-juiz do Tribunal de Impostos e Taxas de São Paulo (TIT) e sócio da área tributária do Viseu Advogados Fábio Nieves Barreira, a ação do governo federal interfere no pacto federativo. Segundo ele, a única alternativa para uma mudança seria por meio de uma resolução do Senado, mas apenas para as operações entre Estados.

“Mas não é isso que o governo federal quer. Em princípio, ele quer uma alíquota única para todos os Estados. Mas ele não tem competência para isso, não pode interferir. Não existe essa alternativa para o governo federal, porque o imposto é de responsabilidade dos Estados”, afirma.

Além disso, Barreira projeta que, se a questão acabar judicializada, deve ser vetada: “Se a proposta acabar indo para o STF, a tendência é de que seja julgada como uma medida inconstitucional”.

Na avaliação de Juliana Cardoso, mestre em Direito Tributário Internacional pela Queen Mary College - University of London, vai ser muito difícil Bolsonaro conseguir adesão dos Estados na redução do ICMS sobre combustíveis, considerando que o imposto representa de 18% a 20% na arrecadação total estadual. “Mais factível seria trabalhar uma redução gradual do PIS e da Cofins, que é federal”, garante.

Segundo o tributarista Danilo Leal, é preocupante a ideia do governo de simplesmente criar um novo mecanismo, em um contexto em que se discute muito a reforma do ICMS. “Ao que tudo indica, o governo quer criar um outro regime tributário que concentra a tributação nas refinarias, mas creio que este não seja o momento. Por mais que se pretenda exonerar a cadeia do combustível, me parece que seria muito mais importante fazer uma reforma mais ampla, que permita um pouco mais de racionalidade para o sistema tributário”, coloca.

Leal destaca ainda que isso poderá desembocar em algo sem precedentes no que tange à multiplicidade de regimes tributários. A despeito das críticas, diz que a redução tributária, em um país como o Brasil, no qual se tributa muito o consumo, é sempre bem-vinda.

“Reduzir a carga incidente no preço do combustível poderá permitir uma redução do custo de frete, que tem sido muito pressionado em razão do dólar e da pandemia como um todo, com reflexo na redução do preço dos produtos”, afirma.

Conforme o sócio da Maneira Advogados e integrante da Associação Brasileira de Direito Financeiro (ABDF), Donovan Mazza Lessa, o ICMS sobre o combustível é uma das principais fontes de receita dos Estados e, por isso, “qualquer mudança na cobrança gera enorme impacto na arrecadação”.

Assim, para ele, a análise deve ser feita de acordo com a situação fiscal de cada Estado. A alteração proposta, no entanto, não representa a redução do preço necessariamente. “Atualmente, o ICMS já é cobrado diretamente das refinarias, por meio de substituição tributária para frente, e é calculado com base numa estimativa do preço de venda do combustível na bomba pelos postos”, explica.

Ele ainda completa: “A mudança para que a cobrança seja feita de acordo com o preço da venda da refinaria, caso a alíquota atual seja mantida, realmente reduziria o imposto, já que a base de cálculo seria menor na medida em que não estaria agregada da margem de lucro das distribuidoras e postos. Entretanto, a redução do ICMS não necessariamente representará a redução do preço, já que os postos podem manter o preço atual, aumentando seu lucro”.

Elizabeth Lopes

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x