PUBLICIDADE
ARMAC
Impostos

Representantes do setor de etanol em MG dizem que aumento do ICMS é “retrocesso”


Siamig - 07 out 2016 - 08:30

O I Seminário Mineiro de Bioeletricidade: a energia elétrica da cana-de-açúcar, realizado ontem (5) em Belo Horizonte pela Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig), foi marcado pela surpresa dos produtores com o Projeto de Lei 3810/16 do governo do estado enviado à Assembleia Legislativa, na noite de terça-feira, propondo a elevação da alíquota do etanol hidratado dos atuais 14% para 20% (podendo ser reduzido a 16%) e de 29% da gasolina para 30%.

De acordo com o presidente da Siamig, Mário Campos, caso seja aprovado, o PL representa um grande retrocesso em termos de competitividade do etanol, e dessa forma, um retrocesso ambiental. “Esperamos do governo de Minas Gerais e dos deputados mineiros prudência e cautela na análise desta proposta, afinal a política de incentivo ao etanol no estado representou o início da recuperação desta indústria depois de 6 anos de grande crise”, destacou.

O presidente do Grupo Coruripe, Jucelino Sousa, destacou também sua preocupação e a intranquilidade que medidas como essas geram no ambiente de negócios. “Minas Gerais está em retrocesso, pois há pouco mais de um ano reduziu a alíquota do ICMS do etanol hidratado no estado e agora vem com esta proposta de desincentivar o produto, gerando incertezas. Infelizmente os investimentos não voltarão”, afirmou.

Com edição novaCana.com


PUBLICIDADE FMC_VERIMARK_INTERNO FMC_VERIMARK_INTERNO

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x