PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Impostos

Estados aprovam congelamento de ICMS sobre combustíveis

Decisão unânime de secretários de Fazenda prorroga medida até 31 de março


Folha de S. Paulo - 27 jan 2022 - 15:01

Os secretários estaduais de Fazenda confirmaram nesta quinta-feira, 27, a prorrogação do congelamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis por mais 60 dias, até 31 de março.

A medida foi ratificada em reunião extraordinária do Comitê de Política Fazendária (Confaz), que é formado pelos secretários de estados e do Distrito Federal e por representantes do Ministério da Economia.

A decisão dos estados foi unânime. O anúncio veio acompanhado de cobranças ao governo federal, para que também adote medidas para conter o preço dos combustíveis.

“Os governadores defendem, porém, que sejam criadas soluções estruturais para a estabilização dos preços dos combustíveis, como um fundo de equalização de preços”, diz o comunicado.

Os secretários, por meio do Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda (Comsefaz), afirmam que apenas o congelamento do ICMS “não é suficiente” para impedir reajustes nos preços.

Segundo eles, os aumentos são impulsionados por outros fatores, como variações do dólar e a política de preços da Petrobras, que acompanha as oscilações do preço do barril de petróleo no mercado internacional.

O próprio mercado já espera novos reajustes, diante da escalada das cotações internacionais do petróleo e das elevadas defasagens em relação ao exterior.

“O Comsefaz apoia a criação do fundo de equalização como forma de evitar que os reajustes do barril de petróleo no mercado internacional sejam repassados para o preço final dos combustíveis, como tem ocorrido, gerando os aumentos frequentes”, diz a nota.

O fundo de estabilização seria um mecanismo para atacar diretamente os aumentos de preços, como uma espécie de amortecedor dessas oscilações. Os recursos seriam usados para bancar o custo de um aumento não repassado aos consumidores.

A criação desse fundo tem defensores dentro do governo, mas também opositores. A equipe econômica é contra por considerar o mecanismo uma interferência nos preços.

Além disso, técnicos argumentam que, como o mercado de combustíveis é muito grande, um fundo desse tipo seria muito caro, e os resultados no preço seriam mínimos. As empresas poderiam ampliar os reajustes ou suas margens de lucro, apostando que o governo faria de tudo para conter os aumentos para consumidores.

Até agora, o que está em discussão no governo é uma proposta de emenda à Constituição (PEC) para permitir a redução temporária de tributos sobre diesel, gasolina, etanol, gás e energia elétrica.

O corte de alíquotas seria feito sem necessidade de compensar a perda de arrecadação, atropelando a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Como mostrou a Folha, o governo também quer incluir na PEC uma autorização para que governadores possam cortar o ICMS sobre combustíveis e energia.

A inclusão desse dispositivo é uma forma de pressionar os governadores, com quem Bolsonaro tem travado uma longa e intensa batalha em torno de uma suposta culpa pelo aumento no preço da gasolina, do diesel e do etanol.

O chefe do Executivo argumenta que os governadores não aceitam abrir mão da arrecadação do ICMS sobre combustíveis e que isso é um fator determinante para que o preço nas bombas continue alto.

Desde o momento em que as discussões se tornaram públicas, governadores de oposição ao governo têm demonstrado, reservadamente, preocupação com o risco de a PEC acabar desequilibrando as contas estaduais. Apesar do aumento recente de arrecadação, um corte nas alíquotas do ICMS teria impacto significativo nas receitas.

Nesse cenário, os governadores reverteram a intenção inicial de decretar o fim do congelamento do imposto, iniciado em novembro de 2021 e que tinha previsão de acabar no final deste mês.

Em meio à pressão pública, os governadores anunciaram na quarta-feira, 26, a intenção de manter o congelamento do ICMS sobre combustíveis por mais 60 dias, como mostrou o Painel. A decisão foi ratificada hoje no Confaz.

O congelamento é feito por meio da manutenção do chamado Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF) nos níveis vigentes em 1º de novembro de 2021.

Idiana Tomazelli


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE


x