BASF
Carros

Nissan lança segunda geração de seu carro 100% elétrico no Brasil


Canal Energia - 14 fev 2019 - 08:36

A Nissan lançou oficialmente sua linha de veículos elétricos para o Brasil nesta quarta-feira, 13 de fevereiro. O local escolhido para o evento foi um ícone da cultura de quatro rodas no país, o Autódromo de Interlagos. A empresa aposta na mobilidade elétrica como o futuro do segmento em um horizonte de tempo nem tão extenso. A montadora japonesa tem como meta vender um milhão de unidades no ano de 2022, uma participação de pouco mais de 15% ante os cerca de 6 milhões de veículos comercializados anualmente. E para alcançar esse número, conta com o mercado brasileiro e latino americano.

Em seu portfólio a empresa possui quatro produtos. Dentre esses está o Leaf, modelo 100% elétrico que chegará ainda no primeiro semestre ao país, sendo que as 15 primeiras unidades são para os consumidores que fizeram a pré reserva do modelo em uma ação iniciada durante o Salão do Automóvel 2018. No total, o primeiro lote é de 42 unidades que serão comercializados em seis capitais, São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), Porto Alegre (RS) Curitiba (PR) e Florianópolis (SC). Após esse primeiro lote a meta é colocar o produto à venda de forma mais regular.

O portfólio de ‘eletrificados’ da companhia é composto ainda por outras três tecnologias. Uma está embarcada no modelo híbrido a combustão-elétrico da SUV X-Trail, veículo já no mercado em sua versão a combustão apenas. E ainda, a tecnologia E-Power, onde um motor a combustão alimenta motores elétricos em um automóvel. A quarta é a célula combustível que utiliza etanol para gerar uma reação química e produzir hidrogênio, porém, ainda está atrás dentre as outras.

Essa aposta da Nissan tem como base visão de avanço dos VEs em todo o mundo, inclusive no Brasil. Para a empresa, este será o caminho natural da evolução do mercado no qual atua. Até porque, lembrou o presidente da empresa no Brasil, Marco Silva, o veículo elétrico está inserido no âmbito das novas tecnologias da transformação digital, onde a eletricidade é um dos pilares.

“O Leaf é o veículo elétrico mais vendido do mundo, comercializamos desde o seu lançamento, em 2010, cerca de 380 mil unidades, vemos com base nessa experiência que o seu uso é mais para o ambiente urbano no dia a dia das pessoas que precisam de deslocar curtas distâncias”, comentou Silva. “As tecnologias que desenvolvemos se sobrepõem, acrescentou ele.

"Cada um tem seu espaço não tem esse negócio de começar com o híbrido e depois passar para o elétrico. São produtos que irão coexistir." Marco Silva, presidente da Nissan no Brasil

Nesse sentido, a empresa destaca que o Leaf é o único veículo elétrico que tem a capacidade de atuar como um sistema de armazenamento de energia em um sistema de geração distribuída. Segundo dados passados pela montadora, é equipado com uma bateria de lítio de 40 kWh de capacidade e que se estiver totalmente carregada pode abastecer uma residência padrão por algo entre 3 a 4 dias. Com essa característica, o modelo pode auxiliar os seus proprietários no futuro como um ponto de fornecimento de serviços ancilares à rede de distribuição. A aposta da companhia vem na esteira do avanço das tecnologias dentro do conceito smart city, onde o consumidor tem um papel mais ativo no grid.

A empresa destaca que vem fechando parcerias em diferentes áreas no país. A primeira foi com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) para estudar o que chama de segunda vida das baterias. Nesse projeto estão esses componentes utilizados na primeira geração do Leaf, utilizados em táxis em São Paulo, por exemplo. A meta é estudar o comportamento desses itens após seu uso na mobilidade ao ser aplicado em um sistema de GD. Outra parceira é com a Enel X para o carregamento desses veículos, a subsidiária da empresa italiana estava presente ao evento com seus dois modelos de carregadores, de parede, normalmente instalado no mercado residencial e o modelo de abastecimento rápido onde as potências desses equipamentos variam entre 10 a até 50 kW. A mais recente parceria, destacou o executivo em sua apresentação, foi assinada há uma semana, com o Parque Tecnológico de Itaipu, cuja meta é a de estudar a integração dos VEs na rede com um modelo de carregador que pode ser específico para o Brasil e até América Latina.

Aos interessados em adquirir o veículo o preço está no mesmo patamar de quando foi anunciada a pré venda, R$ 178,4 mil. Assim como destacado pelo diretor de comunicação da empresa, Rogério Louro, a empresa aposta no atributo de ser um veículo que promete zero emissões de poluentes. Pesquisas de mercado apontaram que 42% das pessoas veem um carro com o apelo de sustentabilidade como um fator decisivo. E ainda, a maioria acredita que em 2030 o VE será a realidade da indústria automotiva. No Brasil, admite a Nissan, talvez um pouco mais tarde, mas que esse momento chegará também.

Maurício Godoi, da agência canalenergia