Carros

Desejo das usinas por motores mais eficientes com etanol não terá caminho fácil


novaCana.com - 24 jul 2014 - 08:43 - Última atualização em: 24 jul 2014 - 10:56

A realidade política e econômica não permitiu ao setor sucroenergético apostar em cenários muito otimistas para o futuro. Mas um dos sonhos das usinas começa a ser desenhado e pode fazer o preço do etanol, e o lucro das empresas, aumentar significativamente.

O foco da agenda de medidas emergenciais do setor produtivo para 2014 é o aumento da eficiência de motores flex com o uso de etanol. O objetivo declarado é fazer com que o biocombustível renda mais que 70% na comparação com a gasolina.

Em 2013, um dos executivos da Anfavea havia afirmado ao novaCana ser impossível transpor a atual relação de consumo entre os dois combustíveis. No início deste ano, a Unica respondeu que a associação das montadoras estava querendo "defender o seu peixe". A entidade canavieira entendia que a limitação para melhorar a eficiência no uso do etanol não é tecnológica, mas sim de caráter econômico. Por isso a necessidade de incentivos.

Em junho o governo federal publicou uma lei que permite que veículos com relação de consumo etanol/gasolina superior a 75%, sem prejudicar a eficiência da gasolina, sejam beneficiados com a redução de IPI.

Para entender melhor os problemas que estão no caminho deste desejo das usinas, o portal novaCana conversou com um dos maiores especialistas em motorização para etanol do país e com os dois principais desenvolvedores da tecnologia por trás da base do motor flex do futuro.


EXCLUSIVO ASSINANTES

O texto completo desta página está
disponível apenas aos assinantes do site!

VEJA COMO É FÁCIL E RÁPIDO ASSINAR



Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail