Carros

Aos 10 anos, carro flex aprimora tecnologia


O Estado de S. Paulo - 11 mar 2013 - 06:41

O carro flex, com tecnologia que permite abastecer o tanque de combustível com etanol ou gasolina, completa dez anos este mês com o desafio de tornar-se mais eficiente em consumo e de vencer a atual resistência do consumidor em optar pelo álcool para contribuir com a redução de emissões de poluentes, especialmente CO2. Em 2012, enquanto o consumo de etanol caiu 9,6% em relação a 2011, o de gasolina aumentou 11,9%.

Entre as fabricantes de sistemas há uma corrida para ver quem lançará primeiro a nova geração de motores com sistema de injeção direta de combustível. A tecnologia permitirá uma economia de cerca de 5% a 10% em relação ao consumo atual. Outro benefício será a maior eficiência do uso do etanol, o que aumentará o tempo para reabastecer o tanque.

Há uma década, a disputa foi pela paternidade do carro flex. O primeiro automóvel a ser vendido no País com motor bicombustível, em março de 2003, foi um Volkswagen Gol, com tecnologia da Magneti Marelli. A Bosch havia apresentado um modelo flexível nove anos antes, mas sua tecnologia só foi inserida no mercado depois da concorrente.

Atualmente, 87% dos carros novos vendidos no Brasil são flex. Todos os automóveis e comerciais leves fabricados localmente têm essa tecnologia, mas os importados também estão aderindo. Pelo menos 17 modelos trazidos da Argentina, México, China, Coreia do Sul e Tailândia receberam motores flexíveis especialmente para atender o mercado brasileiro. A lista ganhará dois reforços com o Honda CR-V, em maio, e o Hyundai Elantra no segundo semestre.

Neste ano, uma gama maior de carros flex começa a ser vendida sem o tanquinho de gasolina, até então necessário para dar a partida. "A eliminação possibilita maior conforto ao usuário", diz Eduardo Campos, gerente comercial e de engenharia da Marelli. "O sistema passa a gerenciar melhor a partida a frio, o que também reduzirá emissões".

Nesse quesito, a Bosch saiu na frente e já tem seu sistema sem tanquinho à venda em alguns carros top de linha, como Peugeot 308, Citroën C3, Honda Civic e Volkswagen Polo. A Delphi desenvolveu o Injetor Aquecido, que também elimina o tanquinho. O sistema já está no importado chinês JAC J3 Sport.

"Com o Injetor Aquecido, a combustão ocorre de maneira mais completa, resultando em funcionamento mais eficiente, além de minimizar as emissões, podendo chegar a até 30% de redução em alguns casos", diz o diretor de engenharia da divisão Powertrain da Delphi, Roberto Stein.

"Já estamos na quarta geração do motor flex", diz Henry Joseph Jr., presidente da Comissão de Assuntos de Energia e Meio Ambiente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Para ele, após o lançamento, o primeiro avanço foi a melhora significativa nas taxas de compressão que favoreceu o uso do etanol. Por volta de 2006 e 2007 vieram os sistemas eletrônicos de controle de gerenciamento. "Agora estamos jogando fora o tanquinho de combustível".

O próximo salto é esperado para daqui a quatro anos, com a chegada da injeção direta de combustível. O sistema injetará o combustível diretamente na câmara de combustão, onde será queimado. O atual, de injeção indireta, aplica o combustível no cabeçote do motor, o que gera perda no percurso.

Consumo. Segundo Campos, a nova tecnologia - que tem movimentado a corrida entre empresas para ver quem sairá na frente com produção em larga escala -, deverá resultar num consumo entre 5% a 10% inferior ao atual, tanto se o motor for abastecido com etanol quanto gasolina.

A vantagem para o etanol será um melhor aproveitamento da energia disponível, "que vai tornar menos frequente a necessidade de abastecimento", diz Martin Marcelo Leder, chefe de engenharia de sistema da Bosch. Hoje, são necessários 30% mais de álcool em relação à gasolina para gerar a mesma energia, por isso a necessidade de parar mais vezes no posto quando o tanque está com esse combustível.

Parte do avanço na eficiência também virá das ações que as montadoras terão de adotar para atender exigência do Inovar-Auto, programa governamental que estabelece metas de consumo para carros novos. Até 2017, os automóveis que rodam pelo País terão de reduzir o consumo em geral em 12% na comparação com os níveis atuais.

Para Leder, uma melhora na relação de consumo também ocorrerá com a introdução do etanol de segunda geração, feito a partir do bagaço da cana e de outras celuloses. Para o longo prazo, analistas veem o flex como parceiro do motor elétrico nos carros híbridos e, mais à frente, o etanol como agente gerador do hidrogênio para carros movidos a célula de combustível.

CLEIDE SILVA


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail