2ª Geração

Pré-operacional, usina de etanol celulósico da GranBio tem prejuízo


Valor Econômico - 28 mar 2014 - 18:34 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53

Ainda pré-operacional, a Bioflex, primeira usina de etanol de segunda geração da GranBio Investimentos, informou hoje que teve em 2013 um prejuízo líquido de R$ 1,839 milhão, ante um lucro líquido de R$ 153 mil em 2012. A usina de etanol ainda está sendo construída em Alagoas. As máquinas já estão sendo ligadas, segundo informou a empresa, e a inauguração oficial deve ocorrer até junho deste ano.

No balanço, a Bioflex informa uma dívida com empréstimos e financiamento de R$ 295,036 milhões, sendo R$ 83,3 milhões no curto prazo.

Já a GranBio Investimentos, holding que controla indiretamente a Bioflex e diretamente outras cinco empresas (a maior parte ainda pré operacionais) do ramo de produção de etanol e químicos com tecnologia de segunda geração, informou que teve em 2013 um prejuízo líquido de R$ 25,864 milhões, ante a perda de R$ 14,158 milhões de 2012.

A planta da GranBio terá capacidade para produzir 82 milhões de litros de etanol de segunda geração por ano, a partir do bagaço e da palha da cana. Quando estiver concluída, terá consumido R$ 350 milhões em investimentos.

O projeto todo da GranBio é de investir R$ 4 bilhões para construção de quatro usinas de etanol de segunda geração (celulósico), duas unidades bioquímicas e duas biorrefinarias flexíveis.


PUBLICIDADE BASF_NOV_INTERNAS BASF_NOV_INTERNAS

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x