2ª Geração

O estágio e a evolução dos projetos de etanol de segunda geração pelo mundo


novaCana.com - 24 jan 2013 - 09:25

Confira a seguir um panorama detalhado dos avanços obtidos ao redor do mundo para fazer o etanol de segunda geração alcancar uma produção rentável em larga escala. O relatório abaixo mostra em detalhes o atual estágio de desenvolvimento e a evolução de unidades de produção de biocombustíveis celulósicos e projetos nos Estados Unidos, Canadá, bem como China, Dinamarca, Itália, Alemanha e Espanha. O trabalho, traduzido pelo portal novaCana.com, foi publicado no mês passado pela organização norte-americana Advanced Ethanol Council e não apresenta nenhum projeto brasileiro.

O COMBUSTÍVEL
O biocombustível celulósico é um insumo ou combustível líquido produzido a partir de lignocelulose, um material estrutural que forma grande parte da massa de plantas, incluindo gramíneas, madeira e resíduos municipais/ agrícolas.

A TECNOLOGIA
A maioria das empresas usa uma combinação de calor (incluindo gasificação), enzimas e compostos químicos para quebrar materiais celulósicos complexos em açúcares simples (que são fermentados para produção de etanol) e outros produtos comercializáveis como energia renovável.

A OPORTUNIDADE
De acordo com o Sandia National Lab, os Estados Unidos poderiam produzir 75 bilhões de galões por ano de biocombustíveis celulósicos sem o deslocamento de culturas alimentares (os Estados Unidos consumiram cerca de 134 bilhões de galões de gasolina em 2011). A indústria americana de biocombustíveis avançados está em ritmo acelerado para competir no mercado global de US$ 2,5 trilhões de energia limpa. A previsão é de que a conformidade com o Programa Nacional de Combustíveis Renováveis (RFS) crie até 800.000 empregos até 2022.

PROGRESSO DA INDÚSTRIA
Uma emenda ao RFS incluiu os biocombustíveis celulósicos apenas cinco atrás. Apesar da recessão global, a indústria de biocombustíveis celulósicos tem no momento unidades e projetos em desenvolvimento em mais de 20 estados nos EUA, representando bilhões de dólares em investimento privado. Os custos das enzimas cairam 80% na última década, e os biocombustíveis celulósicos estão sendo produzidos hoje por até menos que US$ 2 o galão.

O DESAFIO
A indústria de biocombustíveis celulósicos atingiu a fase de exploração comercial. Entretanto, o alto risco de capital devido a distorções de preço induzidas pela OPEP, mercados de mistura limitados e incertezas políticas, continuam a diminuir a velocidade da implantação.

As políticas federais que colocam os Estados Unidos na primeira linha global do desenvolvimento de indústrias de biocombustíveis celulósicos estão em risco. A maneira com que os formuladores de políticas dos EUA responderão a esses desafios irá determinar se o país vai liderar ou ficar para trás na corrida global para produzir a próxima geração de combustíveis e produtos biotecnológicos.

Aviso: Este relatório oferece um panorama sobre um grande número de precursores no setor de biocombustíveis celulósicos, especialmente nos EUA. O relatório não perfila todos os projetos de biocombustíveis celulósicos em andamento nos Estados Unidos e no exterior, e não cobre outros setores de biocombustíveis avançados. Todo o conteúdo desta e das páginas a seguir foram traduzidos pelo portal novaCana.com a partir do relatório elaborado pelo Advanced Ethanol Council, de nome Cellulosic Biofuels Industry Progress Report 2012-2013 (.pdf 2,45 mb).

usinas-etanol-celulosico-EUA

Clique nas imagens das empresas abaixo para ver fotos e detalhes de cada projeto, da fase inicial até o estágio atual da tecnologia de cada iniciativa:


abengoa bioenergy blue fire
beta renewables american process
clariant fiberight
zeachem fulcrum
ernekem ineosBio
iogen inbicon
lanzatech mascoma
kior poet dsm