2ª Geração

Novozymes vê US$ 2 bi com 2ª geração de biocombustível em 2020


Agência Estado - 21 mar 2013 - 09:21 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53

A empresa dinamarquesa de biotecnologia Novozymes pode obter uma receita anual de US$ 2 bilhões com biocombustíveis de segunda geração após 2020, segundo o novo CEO da companhia, Peder Holk Nielsen.

A receita seria obtida com a venda de enzimas necessárias para a produção desses combustíveis. Nielsen disse que a Novozymes vem tentando reduzir o custo - atualmente proibitivo - de enzimas usadas na produção de etanol de celulose. Em 2014, a empresa deve iniciar a produção em escala comercial dessas enzimas.

Os biocombustíveis de segunda geração são produzidos a partir da celulose presente na madeira e em partes não comestíveis dos vegetais. Já os de primeira geração utilizam como matéria-prima alimentos como o milho.

'O mercado de etanol celulósico envolve alto investimento material e custos de enzimas relativamente altos', disse Nielsen. No entanto, se esses combustíveis se estabelecerem, isso significará 'não apenas crescimento, mas transformação' para a empresa.

Nielsen prevê a abertura de 15 a 25 usinas de biocombustíveis de segunda geração entre 2015 e 2017. Porém, o crescimento dessa indústria dependerá de preços e decisões políticas, declarou o executivo.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail