BASF
Carro elétrico

Toyota anuncia produção de automóvel híbrido flex no País até o final de 2019


O Estado de S. Paulo - 13 dez 2018 - 13:43

A Toyota anunciou na manhã desta quinta-feira, 13, em Brasília, que vai iniciar no País, no fim de 2019, a produção de um automóvel híbrido flex, que será movido a eletricidade e etanol ou gasolina. A montadora não divulgou o valor do investimento que será desembolsado para a realização do projeto.

O anúncio ocorreu em cerimônia no Palácio do Planalto, com a presença de Michel Temer. A empresa não anunciou qual modelo será produzido com a nova tecnologia, mas o mercado aposta no sedã Corolla, embora a montadora tenha feito localmente diversos testes com um Prius, que é importado e usa apenas gasolina no motor que gera energia.

O presidente da Toyota para a América Latina, Steve St. Angelo, ressaltou que o projeto está em linha com o programa Rota 2030, sancionado por Temer na terça feira, 13. Entre as medidas aprovadas está a redução de até três pontos porcentuais do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros híbridos com tecnologia que permita o uso de etanol. Esse tipo de veículo já tinha sido beneficiado recentemente com outra redução de IPI.

A novidade do carro híbrido flex é que ele adicionará aos veículos elétricos que aceitam também o abastecimento com gasolina, os híbridos, passarão a poder ser abastecidos também com etanol. No evento, o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, afirmou que a nova tecnologia contribuirá para um ambiente mais limpo e estimulará o conhecimento científico. A Toyota fez parcerias com universidades brasileiras, como a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade de Brasília (UnB).

De acordo com a Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), a utilização de biocombustível fará com que as emissões dos veículos elétricos brasileiros sejam um terço menores do que as dos veículos elétricos europeus. Segundo dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), circulam hoje no Brasil cerca de 7 mil carros elétricos e híbridos (usam eletricidade ou gasolina).

Ainda segundo o MME, o desenvolvimento da tecnologia se beneficiou de duas políticas lançadas recentemente pelo governo federal, o Renovabio, que prevê um aumento da oferta de biocombustíveis, e o Rota 2030, programa de incentivos para montadoras.

De acordo com o presidente da Toyota, o primeiro protótipo híbrido flex foi anunciado em março deste ano. "A longo prazo, devido ao poder de reabsorção do CO2 no ciclo produtivo da cana-de-açúcar, o respeito pela matriz energética é outro ponto alto do veículo híbrido. Ele não exige infraestrutura e é autossustentável", disse. Ele destacou ainda que a integração do híbrido com o flex reduzirá a necessidade de infraestrutura para o abastecimento dos carros.

Mariana Haubert e Cleide Silva