BASF
Carro elétrico

Carros elétricos começam a ser compartilhados em São Paulo


Folha de S. Paulo - 10 jul 2017 - 09:40
  1. A autonomia média dos modelos de carros elétricos que serão disponibilizados em São Paulo é de 160 km
  2. 300 veículos deverão compor a frota do serviço Urbano LDSharing até o fim de 2018, com 50% deles movidos a energia elétrica
  3. 15 "home zones" funcionarão no início, em São Paulo, espalhadas por Jardim Europa, Vila Olímpia, Vila Nova Conceição e Itaim Bibi. Estão previstas quatro etapas de expansão
  4. 12 estações de compartilhamento e recarga fazem parte do programa Vamo, em Fortaleza
  5. 20 veículos elétricos chineses são usados na capital cearense

A lógica dos carros compartilhados é a mesma das bicicletas que rodam por São Paulo. O cliente pega o veículo em um ponto, faz o percurso e o deixa em outro local, liberado para o próximo usuário. O serviço começa a se desenvolver no país, com foco em automóveis elétricos.

"Teremos um modelo para trajetos curtos, com carros como o BMW i3 e o Smart, ambos elétricos", diz o empresário Leonardo Domingos, do LDS Group, que lança neste domingo (9) o serviço de compartilhamento em São Paulo, chamado Urbano LDSharing.

O sistema é "free floating". Significa que os carros estarão espalhados por áreas ("home zones") na cidade, e podem ser utilizados de forma espontânea, sendo devolvidos nos pontos da área operacional, realizada em parceria com uma empresa francesa de tecnologia.

O usuário vai encontrar o veículo no local mais próximo de onde estiver e devolver idem. Não há pontos determinados, e sim áreas (dentro de um bairro, um quarteirão).

Minoria verde

Devido à pouca oferta, apenas 15 carros da frota inicial de 60 são elétricos. Até o mês de setembro deste ano serão 80 no total, dentre estes, 60% elétricos, de acordo com Domingos. "Queríamos ter 100% da frota composta por veículos 'verdes'", diz.

Ele tenta viabilizar a importação de outros modelos, e entre esses está o novo Smart – os disponíveis hoje foram produzidos em 2015.

Até o fim de 2018, a empresa espera ter 300 veículos, com 50% de não poluentes.

"A ideia é que o carro seja usado para corridas curtas. Se ficar rodando o dia inteiro, a tarifa será elevada", explica o empresário. Cada 20 minutos custará R$ 29. Há diferentes tarifas por utilização.

O modelo adotado em São Paulo é semelhante ao criado em Fortaleza pelo projeto Vamo (Veículos Alternativos para Mobilidade), que opera desde o fim de 2016.

Na capital cearense são 20 automóveis elétricos, de dois ou cinco lugares, e cerca de 2.000 usuários -39% têm entre 21 e 30 anos.

"Já cheguei a usar os veículos do Vamo de segunda a sexta, eles atendem bem nos deslocamentos pelo centro urbano. Os carros de cinco lugares oferecem mais conforto, desempenho e maior sensação de segurança", diz o estudante Daniel Castelo, 21.

O projeto de Fortaleza custou R$ 7 milhões ao patrocinador, o grupo Hapvida Saúde, que atua em parceria com a prefeitura. A manutenção dos automóveis de origem chinesa é feita pela empresa Serttel.

Há estações de recarga em que o usuário retira e devolve o carro. É preciso fazer cadastro no programa e aguardar o registro ser aceito.

O cliente assina um termo de responsabilidade e depois agenda um teste com um técnico para conhecer os veículos, cuja primeira meia hora de uso custa R$ 20.

Em São Paulo, Domingos continua em busca de parceiros para expandir o compartilhamento de elétricos. O empresário prevê investir R$ 25 milhões até o fim de 2017.

"Queremos colocar quatro carros por quilômetro quadrado, para que o cliente não precise andar mais que 250 metros para chegar ao veículo. No futuro, depois de criarmos a cultura de utilização do serviço, esperamos ter entre 5.000 e 10.000 veículos."

Inicialmente, serão 15 "home zones" em São Paulo, localizadas no Jardim Europa, na Vila Olímpia, na Vila Nova Conceição e no Itaim Bibi. Depois, Moema e região da Berrini. Estão previstas quatro etapas de expansão.
A limpeza dos veículos será feita por equipes móveis, nos pontos de parada.

A expansão das opções não poluentes depende das montadoras. Elas investem no compartilhamento na Europa e nos EUA e estudam adotar o modelo aqui, mas é realidade distante a chegada de frotas movidas a eletricidade.

"Nossa intenção é desenvolver rapidamente novas estratégias de mobilidade, e queremos trazer nosso sistema de compartilhamento para o Brasil. Mas começar com elétricos seria complicar o projeto", diz Pablo Averame, vice-presidente de marketing e mobilidade da PSA Peugeot Citroën na América Latina.

Ele se refere ao aplicativo Free2Move, que gerencia serviços de compartilhamento. A estratégia busca transformar a empresa em "provedora de mobilidade", conceito em alta em tempos de mudanças na indústria.

Na Europa, o serviço é impulsionado por carros elétricos. No Brasil, não há planos –nem rede de recarga ou lei que viabilize importações ou produção desses veículos.

Eduardo Sodré


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail