PUBLICIDADE
ARMAC
Cogeração de energia

Leilão de energia A-6 contrata R$ 13,9 bi; seis projetos a biomassa somam R$ 531,4 mi


Reuters - 20 dez 2017 - 14:09 - Última atualização em: 22 dez 2017 - 11:34

O leilão de energia A-6 realizado pelo governo federal nesta quarta-feira contratou usinas que somam 3.841 megawatts em capacidade instalada, que deverão receber investimentos de cerca de 13,9 bilhões de reais para serem implementadas até 2023, segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Com forte concorrência, a licitação registrou um deságio médio de 38,7 por cento frente aos preços-teto estabelecidos para os empreendimentos, fechando a 189,45 reais por megawatt-hora.

Destacaram-se na disputa as termelétricas a gás, com cerca de 2.139 megawatts em capacidade contratada, e as usinas eólicas, com projetos que somaram cerca de 1.387 megawatts em potência e registraram os menores preços para a fonte na história – alguns parques chegaram a vender energia por valores na casa dos 97 reais por megawatt-hora.

Os preços para as usinas eólicas bateram o recorde anterior para a fonte, de 118,89 reais, em valores atualizados pela inflação oferecido por investidores em um leilão de 2012, que tinha a menor cotação já registrada até as licitações desta semana.

Foram contratados, ainda, 139 megawatts em pequenas hidrelétricas e 177 megawatts em usinas à biomassa no certame.

Especificamente em relação à biomassa, o leilão contratou seis projetos de 112,5 WM médios de garantia física e 177 MW de potência. Os empreendimentos somam 531,4 milhões de reais em investimentos e tiveram preço médio de 216,82 reais por megawatt-hora, desconto de 34,1%.

Clique na imagem para ampliar.
leilao a6 resultado 221217

O Estado com mais empreendimentos e que deverá receber maior investimento é o Rio de Janeiro, onde serão instaladas duas termelétricas a gás natural que devem demandar cerca de 4,5 bilhões de reais.

O Piauí, com projetos eólicos, deve receber investimentos de 2,8 bilhões de reais, enquanto a Paraíba deve ter aportes de 2,27 bilhões de reais e o Rio Grande do Norte deve receber 1,8 bilhão, também para eólicas.

As usinas eólicas foram a fonte mais barata do leilão, com preço médio de 98,6 reais por megawatt-hora, contra 213,46 reais das termelétricas a gás natural. As hidrelétricas acabaram com o maior preço médio, de 219,20 reais.

Luciano Costa
Com informações adicionais e edição novaCana.com

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x