Cogeração de energia

Geração das usinas a biomassa cresce 6% no 1º semestre de 2016

Capacidade instalada da fonte alcança 11,6 GW ao final de junho; bagaço de cana de açúcar é o principal combustível utilizado na geração de energia no período


Dinheiro Rural - 24 ago 2016 - 14:24

Dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE indicam crescimento de 6,1% na geração das usinas térmicas movidas à biomassa no primeiro semestre de 2016 na comparação com mesmo período do ano passado. A geração no período foi de 1.942 MW médios, enquanto atingiu 1.831 MW médios nos seis primeiros meses do ano passado.

A capacidade instalada das plantas movidas à biomassa do Sistema Interligado Nacional - SIN também evoluiu no período, chegando a 11,6 GW ao final de junho. O número é 7,4% superior ao registrado no mesmo período de 2015, quando a capacidade era de 10,8 GW.

Em junho, o bagaço de cana foi o combustível mais utilizado na geração das usinas movidas a biomassa. O material representou 93,5% do total, com 3.054 MW médios de energia produzidos em junho. Na sequência, aparecem o licor negro com 3,5% (114 MW médios) e os resíduos florestais com 1,2% do total (39 MW médios).



Para dados completos sobre a geração de energia elétrica com bagaço de cana-de-açúcar – discriminados por usina, período e estado – acesse o novaCana DATA (exclusivo para assinantes).



Os dados consolidados da CCEE mostram ainda que o estado de São Paulo foi o maior produtor de energia proveniente da queima da biomassa no mês de junho. As usinas paulistas produziram 1.631 MW médios, o equivalente a 50% de toda a geração da fonte no SIN. Goiás (503 MW médios), Mato Grosso do Sul (413 MW médios), Minas Gerais (403 MW médios) e Paraná (142 MW médios) aparecem na sequência.

Na análise da capacidade instalada, o estado de São Paulo (5.211 MW) também é o principal destaque, seguido por Mato Grosso do Sul (1.864 MW), Minas Gerais (1.173 MW) e Goiás (1.034 MW).

Em junho, 246 plantas movidas à biomassa, em funcionamento, estavam cadastradas na CCEE, frente às 235 instalações registradas no mesmo período de 2015.