PUBLICIDADE
BN novacana 1300x150
Cogeração de energia

Aneel confirma resultado de leilão feito em setembro para contratar usinas novas


Agência Estado - 25 jan 2022 - 12:31

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) homologou nesta terça-feira, 25, o resultado do leilão realizado em setembro de 2021 para contratar energia de novos empreendimentos. Denominado Leilão A-5, o certame encerrou com previsão de investimentos da ordem de R$ 3,06 bilhões para implementar as novas usinas, sendo que a maior será concentrada em São Paulo.

No total, segundo dados da agência reguladora, foram negociados 1.510 lotes, com preço médio de venda de R$ 238,37 por megawatt-hora (MWh) – um deságio de 17,48% em relação ao preço teto.

O relator do processo na Aneel, diretor Hélvio Neves Guerra, ressaltou a contratação de um total de 40 empreendimentos.

A grande novidade do certame foi a contratação de uma usina termelétrica que gera energia a partir de resíduos sólidos. Também foi contratada uma usina hidrelétrica, 11 usinas eólicas, 20 usinas solares fotovoltaicas e sete usinas termelétricas à biomassa.

Sucroenergéticas

Dentre as sucroenergéticas vencedoras do leilão, a que fará o maior investimento é a unidade da Raízen em Paraguaçu Paulista (SP), com R$ 114,14 milhões. Ele comercializou 1.735,67 GWh e um preço médio de R$ 273,02/MWh.

Na sequência, a usina Coruripe, localizada no município alagoano de mesmo nome, deve aplicar R$ 100,2 milhões. Com um preço de R$ 263,18/MWh, a companhia vendeu 946,73 GWh.

Além disso, a Bioaroeira, de Tupaciguara (MG), fará um investimento de R$ 83 milhões para comercializar 1.577,88 GWh de energia a R$ 265,00/MWh. No mesmo estado, a unidade do grupo Balbo em Uberaba (MG) se comprometeu com um projeto de R$ 80 milhões, que envolve a venda de 1.174,64 GWh por R$ 273,00/MWh.

Por fim, a usina Laguna, de Batayporã (MS), irá investir R$ 31,7 milhões. A usina vendeu 403,24 GWh a um valor médio de R$ 273,00/MWh.

Outra unidade que deve usar bagaço de cana como matéria-prima é a Termelétrica Cidade do Livro, em Lençóis Paulista (SP). Com investimentos de R$ 502,3 milhões, ela comercializou 2.734,99 GWh a R$ 275,08/MW.

Além delas, a unidade da FS Bioenergia em Sorriso (MT) comercializou 736,34 GWh a um preço médio de R$ 273,00/MWh, comprometendo-se com um investimento de R$ 100,65 milhões. Neste caso, a matéria-prima é o cavaco de madeira.

Com isso, o preço médio de venda dos projetos termelétricos a biomassa foi de R$ 271,26/MWh, ante valor inicial de R$ 365/MWh, o maior deságio do leilão, de 25,7%.

Com informações adicionais NovaCana

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
Card image


x