BASF
Cana: Variedades

Variedade de cana RB065862 pode ser a primeira desenvolvida no Mato Grosso do Sul


Biosul - 24 out 2019 - 08:03
Além da alta produtividade, o clone RB 065862 vem apresentando outras características importantes, como época de colheita em meio de safra (julho a setembro), difícil florescimento e boa brotação de soqueira

Produtividade acima da média para ambientes de Mato Grosso do Sul é um dos resultados obtidos com o clone de cana-de-açúcar RB 065862. Desenvolvida pela Ridesa Brasil (Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroenergético) e pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a futura variedade está na fase final de avaliação e a expectativa é que a liberação ocorra nos próximos anos.

De acordo com o supervisor regional de melhoramento genético da Ridesa-UFSCar, João Carlos Civieiro, a fase corresponde à validação do clone em área comercial com plantio mecanizado. “A liberação pode ocorrer em breve, estamos na expectativa e vai depender dos resultados na área comercial, que é a última etapa”, explica.

Além da alta produtividade, o clone RB 065862 vem apresentando outras características importantes, como época de colheita em meio de safra (julho a setembro), difícil florescimento e boa brotação de soqueira. “Além de resistência às principais doenças”, complementa Civieiro.

Para o engenheiro agrônomo da Ridesa-UFSCar, Antônio Ribeiro, trata-se de um material promissor. “Usinas que experimentaram a série relataram produtividades muito boas. Já são treze anos de experimento e a nossa intenção é fornecer esse material com bastante segurança às usinas e aos fornecedores de cana”, afirmou otimista.

Com avaliações de ensaios em diversos ambientes no Estado, o clone atingiu, na média de três colheitas, uma produtividade de 107 toneladas de cana por hectare. “Estamos falando de dez toneladas acima da média apresentada, por exemplo, pela RB 966928, que é carro chefe aqui em Mato Grosso do Sul”, ressalta Ribeiro.

Para o presidente da Biosul, Roberto Hollanda Filho, isso representa um avanço para o setor no Estado. “O foco no aumento da produtividade é uma constante na atuação da Biosul. A parceria com a Ridesa tem sido positiva, temos ótimas expectativas com o desenvolvimento de novas variedades”, destaca.

A informação foi compartilhada na 6ª Reunião Anual 2019, que aconteceu na quarta-feira (28), em Dourados (MS). O encontro, realizado pela Ridesa Brasil e pela UFSCar, tem parceria da Associação de Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul (Biosul), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). O evento reuniu representantes das usinas em operação no Estado, fornecedores de cana-de-açúcar e pesquisadores para avaliação e apresentação das séries em experimentos nas usinas do Estado.

Melhoramento genético

As variedades de sigla RB são cultivadas em mais de 65% da área com cana-de-açúcar no País. Em Mato Grosso do Sul estão presentes em todas as áreas das 19 unidades sucroenergéticas em operação.

Segundo Civieiro, a partir de 2007, com a série 2006, começou a ser introduzido no Estado a primeira fase do programa de melhoramento genético (T1), possibilitando estes clones serem selecionados para as características de Mato Grosso do Sul. “Hoje, o Estado já conta com clones promissores, mais produtivos e adaptados às condições daqui”, destaca.

O processo de desenvolvimento das variedades é extenso, com fases de testes, experimentação e validação que podem durar mais de quinze anos. “Importante destacar a contribuição e confiança em nossas pesquisas por parte das usinas e fornecedores parceiros neste trabalho”, completa Civieiro.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail