BASF
Trabalhadores

Raízen revisa contrato com Camil e anuncia a demissão de 250 trabalhadores

Demissão em massa atinge funcionários dos setores de empacotamento de açúcar e logística de varejo


O Diário do Vale (SP) - 08 jul 2019 - 08:20 - Última atualização em: 08 jul 2019 - 10:33

Em carta divulgada aos seus trabalhadores na manhã desta sexta-feira, dia 5, e assinada pelo vice-presidente executivo de EAB, Francis Queen, a Raízen, grupo que atua nos setores de produção de açúcar e etanol, transporte e distribuição de combustíveis e geração de bioeletricidade, confirmou ontem a demissão de aproximadamente 250 funcionários da unidade de Tarumã (SP), que emprega trabalhadores de várias cidades da região.

De acordo com o texto, a decisão se deu por conta de uma revisão contratual entre a Raízen e a Camil, que acabou internalizando as operações de empacotamento de açúcar e logística varejo no novo centro de distribuição, em Barra Bonita. “Diante dessa decisão, tivemos que encerrar as operações de empacotamento e logística varejo nas unidades de Barra Bonita e Tarumã”, diz a nota.

A Camil é dona das marcas União e Da Barra e, segundo informações do Valor Econômico, investiu R$ 100 milhões em uma nova fábrica em Barra Bonita, no interior de São Paulo, para receber e ensacar até 550 mil toneladas do produto ao ano.

“Para nós, sempre fez sentido controlar o empacotamento, como fazemos com arroz e feijão. O negócio da Raízen é moagem de cana e refino de açúcar, não vendas ao consumidor final”, afirma o presidente da Camil, Luciano Quartiero, ao Valor.

Com isso, as operações da Raízen de ensacamento em Barra Bonita e em Tarumã, também em São Paulo, foram fechadas. A empresa relatou ainda que nos últimos meses, “empenhou-se” para absorver o máximo possível de funcionários na própria Raízen.

“Trabalhamos com a Camil para viabilizar a incorporação de nossos funcionários nas operações nesse novo centro de distribuição de nosso parceiro em Barra Bonita. Felizmente conseguimos que dezenas de funcionários fossem absorvidos”, continua o texto da sucroenergética.

A seguir, o vice-presidente anuncia o desligamento de parte do quadro de funcionários. “Infelizmente, hoje efetuamos o desligamento da outra parte de funcionários não absorvidos. Para os funcionários desligados, preparamos um pacote de benefícios com o intuito de minimizar os impactos dessa mudança”, disse.

E prosseguiu: “A Raízen continuará apoiando estes funcionários em processos de recolocação na região onde residem, além de implementar várias iniciativas por meio de nossa área de responsabilidade social nas comunidades onde estão inseridos, com ações direcionadas para capacitá-los nessa transição”.

Por fim, a assessoria da imprensa da Raízen emitiu nota agradecendo a todos os funcionários desligados pelo seu tempo de trabalho e dedicação. “Esclarecemos que, além de garantir o recebimento das verbas previstas em lei, preparamos um pacote de benefícios que inclui um banco de currículo, que será compartilhado nas duas regiões, para que todos os desligados possam ter acesso a eventuais novas oportunidades, assim como seguiremos oferecendo ações de apoio à comunidade local”, afirma.

Com informações adicionais do Valor Econômico


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail