BASF
Trabalhadores

Em greve, canavieiros de Pernambuco realizam protesto e bloqueiam BR-101

Cerca de 80 mil canavieiros entraram em greve nesta segunda-feira (3). Trabalhadores do setor reivindicam melhoria salarial


Rádio Jornal - 04 dez 2018 - 08:16
Principal ponto de divergência entre trabalhadores, usineiros e fornecedores de cana é o fim das horas in itinere

Após decidirem entrar em greve, trabalhadores do setor canavieiro realizaram protesto por melhoria salarial na manhã desta segunda-feira (3), bloqueando o trânsito nos dois sentidos da BR-101, na altura do município de Ribeirão, Zona da Mata Sul de Pernambuco.

Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), cerca de 100 canavieiros participam do ato. O engarrafamento foi de aproximadamente 3 km, em ambos os sentidos.

A decisão pela greve foi tomada em assembleia na noite da última quinta-feira (29), após 13 rodadas de negociação. Com a paralisação, entre 60 e 70 mil canavieiros podem suspender a colheita da cana-de-açúcar. O estado está em plena safra 2018/19, iniciada em setembro e que segue até março do ano que vem.

O principal ponto de divergência entre os trabalhadores da cana-de-açúcar, os usineiros e os fornecedores de cana é o fim da chamada horas in itinere, que, pela legislação trabalhista, é o tempo gasto pelo empregado, em transporte fornecido pelo empregador, para a ida e a volta até o local de trabalho em locais de difícil acesso e não atendido por transporte público regular. Esse tempo de deslocamento é pago como acréscimo a jornada de trabalho e representa, em média 20% a mais no salário do empregado.

“A greve foi deflagrada porque eles querem acabar com conquistas históricas de nossa categoria”, afirmou o presidente da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais do Estado de Pernambuco (Fetaepe), Gilvan José Antunis.

Segundo o sindicalista, se houver a retirada das horas in intinere, além da perda salarial, poderá haver prejuízo para as ações que tramitam na Justiça do Trabalho sobre o tema. “Os patrões condicionaram todo o restante das negociações ao fim do pagamento das horas de deslocamento”.

Gilvan afirma ainda que abrir mão da remuneração pode abrir brechas para que o empregador deixe o trabalhador aguardando, por horas, a chegada e a saída do veículo. A campanha salarial dos canavieiros também discute um novo piso salarial para a categoria. Dos atuais R$ 970, os trabalhadores pedem um reajuste para R$ 1.150. “Queríamos dialogar, mas não podemos aceitar nenhum direito a menos”, diz Gilvan.

Buscamos entendimento, diz Sindaçúcar

O presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool em Pernambuco (Sindaçúcar), Renato Cunha, afirmou que acredita em uma rápida normalização das atividades. Cunha ressaltou que produtores e trabalhadores têm "boa vontade" para resolver a situação – mesmo após 13 rodadas de negociações entre produtores e trabalhadores.

Entre 60 e 70 mil trabalhadores atuam hoje no setor canavieiro em Pernambuco, segundo o Sindaçúcar.