Cana: Safra / Moagem

Temporais devem repor umidade do solo do Paraná a Rondônia

Lavouras de tabaco, feijão, soja, cana-de-açúcar e café devem ser beneficiadas nesta semana, de acordo com a previsão do tempo


Canal Rural - 11 nov 2020 - 07:48

Os temporais devem continuar nesta quarta-feira, 11, no Centro-Sul do Brasil. Desta vez, os maiores volumes de chuva ocorrem no sul de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, sul de Goiás, São Paulo, Triângulo e sul mineiro, Rio de Janeiro, oeste e leste do Paraná, leste de Santa Catarina e sul do Rio Grande do Sul. A umidade vai ajudar na reposição de água disponível no solo na faixa que vai do Paraná a Rondônia, passando pelo Sudeste e Centro-Oeste, favorecendo lavouras de tabaco, feijão, soja, cana-de-açúcar e café.

Essas chuvas ainda ocorrem por causa de três áreas de baixa pressão, sendo que a que está na costa de São Paulo dará origem a um ciclone extratropical na quinta-feira, 12. Além desses sistemas, há um forte corredor de umidade da Amazônia e instabilidades em diferentes níveis da atmosfera que intensificam ainda mais as nuvens de chuva.

Volumes de até 80 milímetros acumulados estão previstos entre a região de Campinas (SP) e o leste de São Paulo, e também no leste de Santa Catarina. Isso porque a área de baixa pressão na costa de São Paulo ganha força e continua canalizando a umidade da Amazônia e, a sua circulação de ventos ajuda a levar muita umidade para Santa Catarina. Além disso tudo, a água do oceano Atlântico entre a costa do Sudeste e do Sul está mais quente do que o normal, o que serve de combustível para a baixa pressão se intensificar.

No sul do Rio Grande do Sul, o volume também é expressivo, porém grande parte da chuva ocorre entre a próxima madrugada e a manhã. A quarta-feira será de tempo fechado do leste do Rio Grande do Sul ao leste do Paraná e também no sul de Minas Gerais e em parte da região serrana do Rio de Janeiro.

Previsão de tempo firme apenas no oeste do Rio Grande do Sul, norte de Minas Gerais, norte de Goiás, Tocantins e grande parte do Nordeste. Os ventos passam de 60 km/h na metade sul do Rio Grande do Sul; já no litoral do Espírito Santo, litoral norte do Rio de Janeiro e litoral norte do Nordeste, eles passam de 50 km/h. O mar segue agitado no litoral sul do Rio Grande do Sul.

A chuva começa a perder força na quinta-feira, 12. O ciclone extratropical se forma, mas ele se encontra mais afastado da costa do Sudeste, por isso que os efeitos sobre a região diminuem. De qualquer forma, ele ainda ajuda a canalizar a umidade da Amazônia e ainda provoca acumulados expressivos no norte de São Paulo, Vale do Paraíba, sul de Minas Gerais e em grande parte do Rio de Janeiro.

Em Santa Catarina, os acumulados também continuam expressivos, mas não tão elevados quanto no dia anterior e também chove forte no litoral norte do Rio Grande do Sul.

Já na metade norte do país, a chuva forte ocorre entre o oeste do Amazonas e o oeste de Mato Grosso.


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail