Cana: Safra / Moagem

Safra de cana 2020/21 no Centro-Sul deve ser maior e mais açucareira, diz Datagro

Queda na produção em países como Índia e Tailândia impulsiona brasileiros


Folha de S. Paulo - 12 mar 2020 - 07:49 - Última atualização em: 12 mar 2020 - 11:31

A safra de cana-de-açúcar 2020/21 terá ligeira alta e será mais açucareira que a atual, graças à quedas de produção em países como Índia e Tailândia.

Os dados são da consultoria Datagro e foram apresentados nesta quarta-feira (11) em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) em um evento de abertura de safra promovido pela empresa e pelo banco Santander.

A previsão é que a safra atinja 596 milhões de toneladas de cana moídas no centro-sul do país, ante as 586 milhões da safra 2019/20, que oficialmente termina neste mês. A estimativa aponta crescimento de 1,7% no total de cana moída.

A projeção dependerá de fatores como o clima para que seja confirmada no fim da safra. Março, por exemplo, registrou menos chuva que a média.

“A perspectiva é de que o clima deve continuar seco nos próximos 15 dias. Então, o armazenamento hídrico ainda permite que o desenvolvimento fisiológico da cana continue, mas é preciso que as chuvas voltem até o final deste mês. E, mais importante, que voltem em abril”, disse o presidente da Datagro, Plinio Nastari.

Do montante de cana a ser processado pelas usinas do centro-sul, 41,5% devem ser destinadas à produção de açúcar, ante os 35,2% da safra passada. Isso significa que, embora o açúcar apresente crescimento, a maior parte da cana (58,5%) ainda será utilizada para a fabricação de etanol – tanto anidro (misturado à gasolina antes de chegar aos postos) quanto hidratado (vendido diretamente ao consumidor nos postos).

A quebra de produção na Índia, na Tailândia e no México é o motivo apontado para a elevação da oferta do açúcar pelas usinas brasileiras.

“Isso [quebra em outros países] faz com que o mundo esteja com déficit no fluxo de comércio e esteja precisando de açúcar do Brasil. Nos últimos dois anos o Brasil retirou do mercado 20 milhões de toneladas, agora devolve um pouco desses 20 milhões, reduz um pouco a produção de etanol de cana, mas compensa essa redução com a produção de etanol de milho”, disse.

A produção de etanol de milho tem crescido no país nos últimos anos. Há quatro anos, foi de 141 milhões de litros, volume que chegou a 1,46 bilhão de litros e, neste ano, pode chegar a 2,5 bilhões de litros. Em quatro anos, segundo Nastari, o total pode alcançar 7 bilhões de litros.

Petróleo

A guerra de preços do petróleo entre grandes países produtores, que causou rombos em Bolsas de Valores desde a última segunda-feira (9), deve reduzir a competitividade do etanol no Brasil, segundo especialistas.

A avaliação de especialistas e do mercado é a de que, dependendo da duração da disputa, poderá haver problemas para as usinas já nas primeiras semanas da próxima safra de cana.

O assunto foi comentado na abertura do evento do Santander e da Datagro pelo prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira (PSDB). Ele disse que as “bases sólidas” das instituições permitirão passar por essa fase sem preocupações.

Nastari disse, também na abertura, que a situação não assusta. “O momento é de espera porque é muito provável que a Petrobras vai esperar a consolidação desse momento, esperar a poeira baixar, para começar a tomar alguma medida de redução de preço. E, mesmo que a Petrobras adote alguma medida de redução de preço, ainda existe a opção de revisão do valor da Cide para capturar parte dessa queda, visto que é esperado que o preço volte inevitavelmente a subir”, disse.

De acordo com o consultor, essa é uma opção que está na mesa, “mas cabe ao governo federal obviamente tomar a decisão sobre que caminho tomar”. “O Brasil não é um país rico, como os EUA, e ele não tem e não pode se dar ao luxo de repassar essa queda de preço simplesmente para o consumidor ciente de que dentro de pouco tempo a gente pode ter uma correção de preço”, disse.

O setor suporta, ainda segundo sua avaliação, uma queda no preço do álcool por ser altamente competitivo, principalmente levando-se em conta a atual taxa de câmbio no país.

Durante o evento desta quarta, foram assinados 16 contratos entre o Santander e usinas referentes aos CBios, títulos que garantirão a execução do RenovaBio. Os CBios são certificados com notas de eficiência energético-ambiental que poderão ser convertidos em créditos de descarbonização.

Coronavírus

Na chegada ao evento, todos os participantes tiveram a temperatura aferida e só puderam entrar caso não apresentassem febre.

A medida foi tomada devido ao avanço de casos do coronavírus. Também foram disponibilizados vários pontos com álcool gel e foram distribuídas mensagens por e-mail com recomendações como lavar as mãos com frequência com água e sabão, além da necessidade de proteger o rosto ao espirrar e tossir.

Marcelo Toledo


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail