Cana: Safra / Moagem

Produção quinzenal de açúcar deve aumentar 6,7% no ano, aponta S&P Global

Estimativas de analistas sugerem a fabricação de 3,25 milhões de toneladas de açúcar na segunda quinzena de julho


S&P Global Commodity Insights - 09 ago 2022 - 14:21

A produção de açúcar na região Centro-Sul do Brasil deve totalizar 3,25 milhões de toneladas na segunda quinzena de julho, refletindo um aumento de 6,7% no ano, segundo pesquisa da S&P Global Commodity Insights divulgada hoje, 9.

Para onze analistas consultados, a estimativa de moagem de cana variou de 48 milhões de toneladas a 49,5 milhões de toneladas. A projeção média era de uma moagem total de cana de 48,6 milhões de toneladas, um aumento de 3,6% no ano.

Já a concentração de açúcar total recuperável (ATR) por tonelada de cana-de-açúcar foi projetada em 147,31 kg/t, uma redução de 0,1% no ano.

De acordo com as pessoas ouvidas, o clima no Centro-Sul foi favorável para a moagem durante a segunda quinzena de julho, com menos de um dia esperado para chuva e cerca de 255 a 260 usinas ativas em 1º de agosto.

“O consenso do mercado é de que a moagem deva exceder em comparação com a mesma quinzena do ano passado e que a mistura de açúcar deva continuar aumentando em relação às quinzenas anteriores”, aponta a Platts Analytics. “Além disso, a gama de estimativas dos analistas para a segunda quinzena de julho está em uma faixa bastante fechada”.

Ainda conforme os analistas, a produção total de etanol da cana-de-açúcar deve chegar a 2,38 bilhão de litros na segunda quinzena de julho, aumento de 1,3% no ano.

Além disso, a expectativa de produção de hidratado era de 1,45 bilhão de litros, segundo a média das respostas à pesquisa, o que representaria um aumento de 5,8% no ano. A produção de etanol anidro na segunda quinzena de julho, por sua vez, era de 931 milhões de litros, 4,9% inferior ano anterior, segundo o levantamento.

safra acompanhamento 090822

Preços de açúcar e etanol

Para os analistas, a proporção de cana utilizada para a produção de açúcar deverá ser de 47,6%, acima do percentual do ano anterior, que foi de 46,2%. Segundo eles, os produtores brasileiros aproveitaram a recente alta do preço do etanol durante os estágios iniciais da safra, mas agora as expectativas de longo prazo são de que as usinas maximizem sua produção de açúcar durante a segunda metade da safra.

A Platts avaliou que o etanol hidratado em Ribeirão Preto (convertido em equivalente de açúcar bruto) estava em 16,66 centavos de dólar por libra-peso em 8 de agosto. Na mesma data, o contrato futuro de açúcar para outubro fechou a 17,96 centavos de dólar por libra-peso, caracterizando um prêmio de 1,3 centavo de dólar sobre o preço do etanol hidratado expresso em equivalente de açúcar bruto, sem considerar ganhos com CBios.

De acordo com dados da S&P Global, o prêmio do açúcar em relação ao etanol cairia para 0,5 centavo de dólar se os créditos de descarbonização fossem adicionados ao cálculo do prêmio.

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x