PUBLICIDADE
ARMAC
Cana: Safra / Moagem

Produção de açúcar do Centro-Sul deve crescer 7,5% na safra 2022/23, projeta StoneX

Embora as incertezas acerca do mercado de petróleo possam conferir suporte aos preços domésticos de combustíveis, as fixações da commodity para exportação se mostram avançadas


StoneX - 09 mar 2022 - 10:17

Precipitações regulares no Centro-Sul brasileiro vêm contribuindo com o desenvolvimento dos canaviais a serem colhidos a partir de meados de abril. A StoneX espera que a temporada 2022/23 (de abril a março) tenha uma moagem de 565,3 milhões de toneladas – considerando que a área se mantenha relativamente constante e que o rendimento médio dos canaviais tenha recuperação anual de 7,6%, para 73,4 toneladas por hectare.

Segundo análise da consultoria, a maior taxa de renovação dos canaviais ainda pode pressionar a extensão a ser colhida na região. “O acompanhamento climático nos próximos meses será fundamental para avaliar com maior assertividade o potencial produtivo dos canaviais em 2022/23”, ponderam os analistas de inteligência de mercado do grupo, Marina Malzoni e Arthur Machado.

Segundo eles, entre outubro de 2021 e fevereiro de 2022, 732,2 milímetros incidiram na ponderação das áreas canavieiras do Centro-Sul, volume que supera a normalidade em 31,3%. No entanto, para o período entre março e maio de 2022, os modelos climáticos do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) sinalizam menor volume de chuvas, que podem se posicionar de 50 a 100 mm abaixo da média histórica em algumas regiões de São Paulo.

Eles enxergam que a umidade dos solos ainda se mostra restrita em algumas localidades, sobretudo no Mato Grosso do Sul, no Paraná e em parte das lavouras do oeste paulista, segundo monitoramento do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Em meio ao maior volume de chuvas até então, a StoneX manteve sua expectativa de rendimento médio dos canaviais em 140,7 quilos por tonelada. Com relação ao mix produtivo, a entidade projeta que cerca de 45,5% da matéria-prima será destinada à produção de açúcar entre abril deste ano e março do ano que vem.

“Embora as incertezas acerca do mercado de petróleo possam conferir suporte aos preços domésticos de combustíveis, as fixações de açúcar para exportação se mostram avançadas”, explica Malzoni. Até o momento, mais de 76% da produção de açúcar se encontra fixada na ICE, contra 70% no ciclo anterior.

Aumentos produtivos

De acordo com a StoneX, a produção de açúcar em 2022/23 deve ficar em 34,5 milhões de toneladas, representando alta anual de 7,5%. A destilação de etanol de cana, por sua vez, é projetada em 25,5 bilhões de litros (+5,6%). Especificamente, 16,5 bilhões de litros de hidratado (+17,2%) e 9 bilhões de litros (-10,7%) devem ser fabricados no acumulado da temporada.

StoneX produção CS

“Passamos a considerar uma maior participação do hidratado no consumo de Ciclo Otto – estimativa que se baseia no viés altista para os preços da gasolina, ao passo que a recuperação produtiva no Centro-Sul poderá favorecer a competitividade do álcool”, afirma Malzoni.

Na análise da StoneX, as perspectivas para o mercado de petróleo, sobretudo em meio às tensões entre Rússia e Ucrânia e o possível avanço das negociações referente ao acordo nuclear entre os Estados Unidos e Irã, ainda devem afetar o mercado.

Ainda conforme a consultoria, a produção de etanol de milho deve assumir maior destaque, A estimativa é de uma oferta de 4,2 bilhões de litros entre abril deste ano e março do ano que vem – alta anual de 18,9%. Tal perspectiva se baseia nos novos projetos para a ampliação da capacidade produtiva no Centro-Sul do país.

Ciclo que se encerra

A safra 2021/22 (de abril a março) se encaminha para o encerramento oficial no Centro-Sul do Brasil, com isso, o mercado já avalia qual será o volume de cana a ser processado em março – uma variável que será chave para a definição do resultado do ciclo corrente, segundo a StoneX.

A expectativa da empresa é de que a moagem de cana no período entre janeiro e março totalize cerca de 4 milhões de toneladas, já que a maior parte das usinas deve retomar suas atividades de colheita somente a partir de meados de abril.

Com base nisso, a StoneX reduziu em 0,2% sua expectativa para a moagem na safra atual, prevista para alcançar 525,6 milhões de toneladas – volume que representa retração anual de 13,2%. Em meio à estimativa de que a qualidade média da cana se posicione em 142,4 kg/t e de que o mix açucareiro seja de 45%, a produção de açúcar pelo Centro-Sul deve se situar em 32,1 milhões de toneladas em 2021/22 (redução de 16,5% no comparativo safra-a-safra).

A produção de etanol, por sua vez, é projetada pela empresa para 27,6 bilhões de litros, sendo 11,1 bilhões de litros de anidro (+14,4%) e 16,6 bilhões de litros de hidratado (-19,9%). Os volumes já consideram a oferta de 3,5 bilhões de litros do biocombustível produzido a partir do milho.


PUBLICIDADE BASF GIGA INTERNAS BASF GIGA INTERNAS

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x