Cana: Safra / Moagem

Pragas e dólar elevado aumentam custo de produção da cana em Pernambuco


AFCP - 31 jul 2020 - 07:33

Faltam poucas semanas para as usinas pernambucanas voltarem a moer. Normalmente, as operações se iniciam em meados de setembro, o que deve se repetir nesta safra.

No entanto, um problema tem crescido no campo. Há infestações de pragas nos canaviais, como a ferrugem, capim-colonião e ainda a cigarrinha, esta última mais intensa na Zona da Mata Sul, região de maior produção da cana local.

O combate às pragas aumenta muito o custo do produtor. A elevação do gasto cresce também devido ao reajuste dos insumos, a exemplo de fertilizantes e herbicidas, que têm os preços atrelados ao dólar em alta.

Com isso, a valorização da moeda norte-americana frente ao real só é positiva para exportações do açúcar, mas onera os custos de produção da cana no Brasil.

Diante do cenário, um estudo do departamento técnico da Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco (AFCP) mostra crescimento de 15,3% dos custos de produção em menos de quatro anos, enquanto o preço da cana continua quase o mesmo no período analisado.

O preço da cana varia todo mês. Em julho, a tonelada alcançou seu maior valor este ano, chegando a R$ 103,57. No entanto, este valor é inferior ao de outubro de 2016, quando atingiu R$ 103,74.

“Já os custos de produção destes períodos são bem diferentes. Cresceu 15,3% exatamente, pois era de R$ 114,45 e agora é de R$ 131,93%”, conta o produtor Virgílio Pacífico, que é responsável pelo levantamento da AFCP.

“Estamos pagando para trabalhar, literalmente. Isso só não acontecerá se a usina pagar uma boa bonificação extra pela cana. E a Taxa de Açúcar Recuperável (ATR), indicador que define o valor do produto, for elevada”, afirma o presidente da AFCP, Alexandre Andrade Lima. “Portanto, o fornecedor independente de cana-de-açúcar que não tiver uma bonificação compatível com os seus custos de produção vai trabalhar no vermelho”, diz.

Lima lembra que Pernambuco é o estado brasileiro que tem mais cana produzida por fornecedores independentes. “Já caiu para 30%, mas hoje responde por 46% de toda cana pernambucana”, relata.

O restante vem dos canaviais das próprias usinas. Segundo a AFCP, a volta do crescimento percentual da cana do agricultor desde a safra 2014 está atrelada à política do governo Paulo Câmara, de incentivo à reativação de usinas sucroenergéticas.

Além disso, a reabertura de usinas, a exemplo da Coaf (em Timbaúba) e da Agrocan (em Joaquim Nabuco), tem estimulado o canavieiro a plantar mais ao ter como escoar a produção e na expectativa de melhores bônus pela cana.

Na última safra, a usina Coaf pagou o maior preço da cana em todo o Brasil. O preço médio pago pela tonelada foi de R$ 145.

“Nossa expectativa para esta nova safra é que o percentual da cana do produtor independente eleve ainda mais, assim como possa aumentar o bônus da cana paga pelas usinas, mais empregos e mais impostos, já que teremos a reativação de outra usina, a CooafSul, antiga Estreliana, em Ribeirão, também com o apoio direto do Governo Estadual”, diz Lima.

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail