PUBLICIDADE
ARMAC
Cana: Safra / Moagem

hEDGEpoint projeta mix de produção açucareiro para a safra brasileira 2022/23

Analistas acreditam que melhora climática no Centro-sul, aliada ao bom ritmo da safra do hemisfério norte, pode aliviar a pressão no fluxo comercial de açúcar a partir do segundo trimestre


hEDGEpoint Global Markets - 25 fev 2022 - 09:08

O tempo seco e as geadas que acometeram as regiões produtoras de cana-de-açúcar no Centro-Sul do país provocaram efeitos adversos na oferta dos produtos sucroenergéticos. Assim, para a analista do setor sucroenergético da hEDGEpoint Global Markets, Lívea Coda, o rumo do mercado de açúcar será ditado, nos próximos meses, pela perspectiva de oferta brasileira, demanda mundial e conflitos geopolíticos.

“O tempo mais seco e as geadas em 2021 afetaram a produção do Centro-Sul do Brasil, antecipando o final da safra 2021/22”, pontuou ela durante o segundo dia de webinar da hEDGEpoint, nesta quarta-feira, 23. “Isso adicionou pressão aos fluxos comerciais e sustentou os preços durante o terceiro e quarto trimestre do ano”.

Para a mesma região, a hEDGEpoint estima um crescimento de 1,1% no consumo de combustível (ciclo Otto) em 2022/23. A baixa demanda adicional, segundo a consultoria, é resultado dos altos preços dos combustíveis e da corrosão do poder de compra da população dada alta taxa de inflação e baixo crescimento econômico previsto para 2022.

Assim, o mix de produção das usinas deve ser mais doce, com 46% da matéria-prima sendo dedicada ao adoçante. Para a consultoria, isso se justifica porque a demanda por combustíveis deve se manter abaixo dos níveis pré-pandemia e porque os estoques de etanol se encontram “confortáveis”.

Ainda de acordo com as estimativas da consultoria, a quantidade total de açúcar em 2022/23 poderá variar entre 33,8 e 35 milhões de toneladas, a depender da moagem cana (estimada entre 551 e 570 milhões de toneladas). O resultado no campo, por sua vez, está diretamente relacionado ao clima.

“Atualmente, nos encontramos céticos quanto a uma recuperação de mais de 25 milhões de toneladas para a próxima safra, uma vez que parte da cana já foi afetada pelo clima adverso em 2021 e esperamos renovação do canavial”, afirma Coda, que segue: “Dessa forma, nos mantemos no limite inferior do intervalo (551 mi t de cana) e esperamos que o Brasil contribua com 31,5 milhões de toneladas de açúcar (outubro a setembro), consolidando, juntamente com um crescimento de 1,1% da demanda mundial, um déficit de 1,4 milhão de toneladas”.

Em relação à China, a analista observa que o país tem se destacado como grande importador da commodity e, mesmo com arbitragem fechada, moveu entre outubro e novembro de 2021 cerca de 90% do volume que importou quando ganhava um prêmio de US$ 150/t em 2020. A hEDGEpoint estima que a nação asiática deve importar cerca de 5,7 milhões de toneladas nesta safra, ante 6,3 milhões de toneladas na temporada anterior.

O diretor da mesa de açúcar na hEDGEpoint, Fabio Mendes, destaca que o mercado está em um período de transição de preços em relação aos fundamentos específicos. Segundo ele, o retorno do Brasil a partir do segundo trimestre retira parte da pressão sentida no fluxo comercial hoje e, assim, seria possível esperar que o patamar de preços atual (entre 17,8 e 19,3 centavos de dólar por libra-peso) se mova para baixo (de 16,8 a 18,3 centavos de dólar).

“É claro que essa visão possui riscos. Dentre eles, destacam-se um reaquecimento da demanda, o clima e, principalmente, os desdobramentos das tensões geopolíticas”, disse Mendes. “Fatores externos ao mercado que aumentem a percepção de risco, ou até mesmo elevem o valor das commodities energéticas, devem ser monitorados de perto para melhor entendermos os preços de açúcar no futuro”, observa.


PUBLICIDADE BASF GIGA INTERNAS BASF GIGA INTERNAS

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x