BASF
Cana: Safra / Moagem

Para EPE, setor sucroenergético caminha para a recuperação dos indicadores do campo


novaCana.com - 21 jul 2017 - 12:06

Até 2026, o setor sucroenergético deve vivenciar uma recuperação nos indicadores de produção da cana. Ao longo do período, serão feitos investimentos em renovação dos canaviais e em tratos culturais, além do enfrentamento dos desafios da mecanização.

O diagnóstico da situação da produção de cana-de-açúcar, incluindo o que deve marcar os próximos anos para as usinas sucroenergéticas, é um dos assuntos do Plano Decenal de Expansão de Energia 2026 (PDE), aberto para consulta pública neste mês.

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), organização pública vinculada ao Ministério de Minas e Energia (MME), aposta na redução de custos de produção e em um aumento da competitividade do etanol frente à gasolina. Fator esse, que, associado à necessidade de incremento da capacidade de moagem, motivará investimentos em unidades greenfields e na expansão de usinas já existentesgreenfields e na expansão de usinas já existentes.

Para o governo, o setor encontra-se em um período de ajustes, afirma a empresa governamental, no qual busca o equacionamento da sua situação financeira. É neste contexto que estão inseridas ações para melhoria dos fatores de produção, as quais propiciam redução dos custos e aumento de margem, elevando sua sustentabilidade financeira.

Leia mais:

- Perspectivas de moagem, área de colheita de cana, produtividade e a evolução do volume de cana destinado ao açúcar e o etanol
- Momento de virada para as sucroenergéticas
- Consequências da dificuldade de acesso ao crédito
- Indicadores que afetam a safra 2017/18


EXCLUSIVO ASSINANTES

O texto completo desta página está
disponível apenas aos assinantes do site!

VEJA COMO É FÁCIL E RÁPIDO ASSINAR



Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail