Cana: Safra / Moagem

Datagro revisa estimativa da safra de cana e prevê queda significativa na produção


Agência Estado - 26 jun 2014 - 15:00

A Datagro, consultoria privada especializada em açúcar e etanol, mostrou nesta quinta, dia 26, que a safra 2014/15 de cana-de-açúcar no Centro-Sul do Brasil, iniciada em março, deverá ser 6% menor na comparação com 2013/2014, totalizando 560,5 milhões de toneladas. A redução deve-se à severa estiagem que atingiu a região. Segundo o presidente da entidade, Plínio Nastari, a seca atinge a região desde outubro. De acordo com ele, o índice pluviométrico no Centro-Sul ficou 38% abaixo da média somente no último mês de maio.

A produção de açúcar no atual ciclo deve cair 5,8%, para 32,3 milhões de toneladas. Já a de etanol deve diminuir 8,5%, para 23,39 bilhões de litros, dos quais 11,60 bilhões de litros serão de anidro e 11,79 bilhões de litros, de hidratado. Da oferta total de cana, 45,9% devem ir para a produção de açúcar, prevê a Datagro. No ciclo anterior, esse porcentual foi ligeiramente menor, de 45,2%.

Nastari ponderou, contudo, que o rendimento agroindustrial (medido por quilo de Açúcares Totais Recuperáveis por hectare) estava 7,8% menor até final de maio na comparação com igual período de 2013/14. Além da seca, pesa nesse rendimento a quantidade de impurezas vegetais presente no momento do processamento, que está 1,7% maiores em 2014.

Frete

A organização nos portos e a menor ocorrência de chuvas têm feito com que o frete para transportar açúcar neste ano seja inferior ao observado em 2013. De acordo com Nastari, o preço médio para se levar açúcar no Estado de São Paulo até o Porto de Santos ficou em R$ 84,35 por tonelada em maio, queda de 8% na comparação com igual mês do ano passado e desvalorização acumulada de 7,8% só em 2014.

– Choveu menos neste ano e isso provocou poucos congestionamentos. A organização nos portos, com agendamento obrigatório, também contribuiu – afirmou.

Considerando o principal trecho de escoamento no Estado, entre Ribeirão Preto e Santos, o frete caiu 8,5% na comparação anual, para R$ 82,07 por tonelada.

Exportações

As exportações de etanol pelo Brasil estavam 30% menores no acumulado de 2014 até maio na comparação com igual período de 2013. Segundo a Datagro, os embarques alcançaram 612,56 milhões de litros de janeiro a maio de 2014, menos que os 875,28 milhões de litros observados nos cinco primeiros meses de 2013.

Conforme Nastari, as exportações têm sido menores por causa do forte consumo interno e da demanda enfraquecida nos Estados Unidos, que colheram uma safra recorde de milho e tem utilizado em larga escala o biocombustível feito a partir desse cereal. Ele salienta que não prevê recuperação dos embarques no restante do ano.

Mistura

De acordo com Nastari, um eventual aumento da mistura de etanol anidro na gasolina, dos atuais 25% para 27,5%, geraria uma demanda adicional de 560 milhões a 600 milhões de litros do biocombustível. Ele afirma que isso equivale a 1 milhão de toneladas de açúcar. Levada em janeiro pelo setor sucroalcooleiro ao governo, a proposta ainda está em análise e sofre resistência por parte da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que teme por perda de rendimento nos motores.

O presidente da Datagro acrescentou ainda que, atualmente, o preço da gasolina no Brasil tem uma defasagem de 22% na comparação com as cotações do produto no mercado internacional.

Déficit global de açúcar

A entidade elevou sua previsão de déficit de açúcar na safra global 2014/2015, que se inicia em outubro. Nastari disse que a demanda irá superar a oferta em 2,46 milhões de toneladas na próxima temporada. A estimativa anterior, de março, era de um déficit de 1,6 milhão de toneladas. O atual ciclo (2013/2014), que se encerra em 30 de setembro, deve registrar superávit de 2,18 milhões de toneladas, o quarto consecutivo.