Cana: Safra / Moagem

Cana-de-açúcar vai sofrer impacto do clima, diz CEO da BP Bunge


Bloomberg - 05 ago 2021 - 09:00

O Brasil enfrenta as piores condições climáticas das últimas décadas, o que pode resultar em perdas significativas na produção de açúcar e agravar a já apertada oferta global, segundo a BP Bunge.

A joint venture calcula que as perdas causadas pelo clima na região Centro-Sul, que responde por 90% da produção de açúcar no país, sejam maiores do que o previsto anteriormente, conforme aponta o diretor-presidente da empresa, Geovane Consul. Os próprios campos da BP Bunge também foram atingidos pela forte geada nas últimas semanas, disse.

A moagem de cana da empresa deve cair pelo menos 12% na safra 2021/22 em relação ao ano anterior devido às condições climáticas adversas. E o executivo pode revisar ainda mais para baixo a projeção da BP Bunge para a moagem no Centro-Sul, que atualmente é de 535 milhões de toneladas.

“Há previsão de pelo menos mais duas frentes frias se aproximando dos canaviais em agosto”, disse Consul em entrevista na terça-feira. “O Brasil vai sofrer e o recente rali de Nova York é um claro reflexo disso”.

As lavouras de commodities como açúcar e café arábica foram afetadas pelas condições climáticas, como a pior seca em quase um século e a geada mais forte em mais de duas décadas. A crise de oferta impulsionou os futuros de açúcar bruto em julho para a maior cotação desde 2017. E o rali da commodity não dá sinais de desaceleração diante das incertezas sobre o fornecimento. A StoneX espera que a demanda por açúcar supere a produção em 2021/22.

O déficit global tende a sustentar os contratos futuros do açúcar nos próximos dois anos, com um teto estimado em 19 centavos de dólar por libra-peso, nível acima do qual estimula enormes exportações da Índia, disse Consul.

A BP Bunge deve processar 24 milhões de toneladas de cana na atual safra frente a 27,3 milhões esmagadas em 2020/21. A estimativa leva em consideração apenas o impacto da seca e da geada até agora. Ainda há dúvidas sobre o efeito das temperaturas congelantes sobre a cana que será colhida nos próximos meses, disse Consul.

No Mato Grosso do Sul – onde a empresa opera sua menor unidade – todas as áreas de cana foram afetadas.

Apesar dos danos climáticos, a BP Bunge espera que seus resultados na atual safra sejam melhores do que em 2020/21. O Ebitda da empresa somou R$ 3,4 bilhões na safra passada, 63% maior frente à temporada anterior.

A joint venture, formada há pouco mais de um ano, tem se concentrado em melhorar a eficiência e cortar custos, disse o presidente do conselho da BP Bunge, Mario Lindenhayn, durante a mesma entrevista. No primeiro ano, a empresa operou 11 usinas no Brasil e atingiu dois terços da sinergia de R$ 1 bilhão prevista para os próximos anos.

Fabiana Batista