BASF
Cana: Plantio

Recorde Negativo: Procura pelo Prorenova continua baixa e usinas ficam sem novos empréstimos do BNDES


novaCana.com - 19 jan 2017 - 10:30

A fraca procura pelo Prorenova em 2016 não é uma novidade para o setor sucroenergético. O programa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi lançado apenas em março e até junho ainda não havia despertado o interesse das usinas. Os poucos contratos fechados no ano ainda eram resquícios da edição anterior.

Contudo, o banco se mantinha relativamente otimista em relação ao setor, inclusive com a previsão de uma concentração das solicitações nos últimos meses do ano.

O novaCana fez um levantamento dos contratos aprovados pelo BNDES por meio de operações diretas e indiretas não automáticas e descobriu que, até 31 de outubro, apenas 17 companhias conseguiram novos financiamentos – 16 delas dentro do programa de renovação dos canaviais (Prorenova).

A expectativa do banco, anunciada em outubro, era de emprestar cerca de R$ 1,5 bilhão em 2016, um número 26% inferior ao de 2015. Porém, faltando os dois últimos meses do ano, no total, foram distribuídos apenas R$ 346,89 milhões em as operações diretas e indiretas não automáticas – que, em geral, abrangem financiamentos acima de R$ 10 milhões.

Saiba mais:

- Listagem das companhias que aprovaram financiamentos

- Área de canavial financiada com recursos do Prorenova

- Valores e condições dos contratos aprovados

- Bancos que atuaram como intermediários para o setor sucroenergético

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar

ou