Cana: Meio ambiente

Após incêndio em canavial em Santa Bárbara d’Oeste (SP), Raízen divulga esclarecimento

Empresa afirma que funcionário flagrado colocando fogo em canavial utilizava uma técnica para acabar com o incêndio


O Liberal - 23 jun 2020 - 08:17

A Raízen se pronunciou nesta segunda-feira (22) sobre a queimada de grandes proporções que atingiu uma área de canavial da empresa em Santa Bárbara d’Oeste, no último sábado.

Por meio de nota, a empresa negou que o fogo tivesse sido colocado de forma criminosa para a queima da cana-de-açúcar.

Um vídeo circulou nas redes sociais mostrando um funcionário da Raízen ateando fogo na área e levantou discussões sobre a autoria do incêndio.

Ao jornal O Liberal, a empresa explicou que as chamas já tomavam conta da área e o que o funcionário estava aplicando uma técnica de combate ao incêndio que se chama “fogo Contra fogo”.

Nela, um agente coloca fogo de maneira controlada na direção do incêndio já existente para que os dois focos se encontrem e as chamas cessem. Foi isso que foi feito no último sábado, segundo a Raízen.

“A Raízen informa que monitora diariamente seus canaviais para prevenir e combater eventuais incêndios de origem desconhecida ou acidental, como é o caso daqueles provenientes de fogueiras e outras fontes – como cigarros, por exemplo – em áreas de grande circulação, principalmente próximas a cidades e rodovias”, afirma a empresa, em nota.

A sucroenergética ainda afirmou que, preventivamente e em função do período de seca e falta de chuvas no município de Santa Barbara D’Oeste, intensificou os cuidados e aumentou a fiscalização em toda região.

Segundo a Raízen, foram disponibilizadas brigadas específicas com carros leves para alcançarem rapidamente os focos de incêndio. Também foram comprados novos abafadores e caminhões pipas dedicados exclusivamente a atender esta área. Além disso, todos os sábados, a empresa realiza uma campanha de conscientização da população do município.

“A empresa informa ainda que, quando necessário, utiliza das melhores técnicas para combater incêndios em seus canaviais e que possui brigadistas empenhados exclusivamente para agir nas mais diversas ocorrências em suas operações”, afirma e completa: “A Raízen ressalta que não pratica a queima de cana e reforça que segue estritamente as diretrizes do Protocolo Agroambiental – Etanol Mais Verde, o qual determina a eliminação do uso do fogo na colheita de cana no Estado de São Paulo”.

A companhia ainda reforça que faz parte do Plano de Auxílio Mútuo Externo (Pame), um sistema de cooperativismo entre empresas nas ações de grandes emergências.

Leonardo Oliveira