Cana: Meio ambiente

Fornecedor de cana para usina é multado em R$ 193 mil por incêndio ilegal em MS


Jornal Midiamax (MS) - 16 ago 2021 - 08:19
A queimada do canavial ocorreu em Rio Brilhante (MS), no dia 15 de julho

A Polícia Militar Ambiental (PMA) autuou um fornecedor de cana para usina sucroenergética em R$ 193 mil por incêndio em palhada para colheita da cana-de-açúcar em Rio Brilhante (MS), cidade a 160 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com a polícia, após levantamento da origem e causa de um incêndio em uma área de cana-de-açúcar, policiais ambientais que trabalham na operação Prolepse autuaram um homem de 60 anos, que planta cana-de-açúcar e vende para uma usina sucroenergética. A PMA recebeu denúncias de que o incêndio teria ocorrido em uma área plantada de cana-de-açúcar no município de Rio Brilhante e que o dono da lavoura seria o responsável pelo incêndio efetuado na palhada para facilitar a colheita da lavoura.

Ainda segundo a PMA, o incêndio ocorreu no dia 15 de julho e os policiais foram ao local onde perceberam a veracidade da denúncia. O proprietário da cana-de-açúcar estava executando a colheita na área queimada no momento da vistoria. Depois da realização de levantamentos técnicos para determinação da origem do fogo, concluídos na última sexta-feira, 13, os policiais mediram a área afetada com uso de GPS, calculando 193 hectares.

O proprietário da área queimada, residente em Rio Brilhante, admitiu que o incêndio começou na sua propriedade e que não possuía autorização do órgão ambiental para realizar o processo de queima, até porque, o órgão ambiental suspendeu as autorizações ambientais de queima controlada pelo prazo de 180 dias. Ele foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 193 mil.

Diego Alves


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

Card image


x