BASF
Açúcar: Mercado

Fim da década de cotas na UE pode causar excesso de açúcar


Bloomberg - 02 out 2017 - 13:34 - Última atualização em: 03 out 2017 - 09:09

Após uma década de cotas, as empresas de açúcar da União Europeia agora podem produzir e exportar o quanto quiserem. Empresas como a francesa Tereos e a alemã Suedzucker vêm ampliando as operações para se prepararem para a mudança, o que ajudará a alimentar um excedente global de açúcar.

A eliminação das cotas – o último dos limites agrícolas da UE – também pode provocar grandes mudanças no comércio global de açúcar. Com o aumento da produção da UE haverá menos necessidade de importar a oferta de lugares como a África e o Caribe.

europa acucar 021017

Apesar de o setor se preparar há anos para a mudança, ela pode pressionar ainda mais os preços, que caíram 28 por cento em 2017, pior desempenho do índice da Bloomberg para 22 commodities. Na UE, a colheita de beterraba atualmente está a pleno vapor e testes mostram rendimentos superiores à média na França e na Alemanha, maiores produtoras da região.

"Temos uma grande safra a caminho", disse Ruud Schers, analista do Rabobank International em Utrecht, na Holanda. O banco prevê que a produção da UE crescerá 23 por cento na temporada que começou em 1º de outubro.

excedente acucar 021017

As cotas que terminaram neste fim de semana foram estabelecidas em 2006 como preparação para a eliminação gradual dos limites impostos pela primeira vez na década de 1960 para garantir a segurança alimentar, que foram rejeitados pela Organização Mundial do Comércio. As cotas limitaram a quantidade de açúcar que os produtores da UE podiam vender no mercado interno e aumentaram as importações.

O fim das restrições ajudará a UE a ampliar as exportações em quase 50 por cento nesta safra, para 2,2 milhões de toneladas, segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês). Outros analistas projetam embarques ainda maiores. As exportações da França, a maior produtora regional, por si só, podem triplicar para mais de 1 milhão de toneladas, estima a agência FranceAgriMer, de produtos agrícolas e do mar.

europa acucar exportacao 021017

A UE respondeu por cerca de 10 por cento da produção global de açúcar na safra passada, segundo o USDA. A região produz açúcar a partir de beterrabas da região ou refinando a oferta bruta importada de países de clima tropical. As refinarias continuarão limitadas a carregamentos isentos de impostos de alguns países menos desenvolvidos e a importações a taxas reduzidas de certos países.

Os preços do açúcar da UE, há anos negociado com ágio em relação ao preço mundial, deverão se alinhar mais às taxas globais, segundo o Rabobank. Os preços médios da UE são de cerca de 500 euros (US$ 590) por tonelada, segundo a Comissão Europeia. O valor contrasta com o de cerca de US$ 361 por tonelada dos futuros do açúcar branco negociados em Londres.

A eliminação das cotas pode ser uma boa notícia para os consumidores, segundo o Investec Bank.

"Pode resultar em uma redução de custos para fabricantes de alimentos, de produtos farmacêuticos e outros que usam açúcar", disse Callum Macpherson, chefe de commodities da Investec em Londres, por e-mail. "Isso pode resultar em redução de custo para o consumidor final."

Agnieszka de Sousa
Com colaboração de Isis Almeida