PUBLICIDADE
ARMAC
Açúcar: Mercado

Dólar e clima seguem pressionando preço do açúcar em Nova York


Agência Estado - 03 ago 2015 - 10:38

Os futuros de açúcar demerara começam agosto ainda influenciados pelo câmbio e pelo clima no Centro-Sul do Brasil. Na sexta-feira, as cotações voltaram a se aproximar do suporte de 11,10 cents por libra-peso e tendem a testá-lo novamente nesta semana, com chances, inclusive, de rompê-lo.

Isso porque o dólar se valorizou ainda mais após o fechamento do mercado. Sustentada pelo ambiente político tumultuado e pela deterioração de indicadores econômicos nacionais, a divisa subiu 1,09% na sexta, para R$ 3,4170, maior nível desde 20 de março de 2003. Em 2015, acumula valorização de 28,70%.

Do lado climático, o que se anuncia é um agosto propício aos trabalhos de campo. Boletim da Climatempo informa que a primeira quinzena do mês será de tempo aberto e seco em quase todo o Centro-Sul do Brasil. Apenas algumas áreas de São Paulo e Paraná devem registrar precipitações, mas nada que ultrapasse os 30 mm.

Caso essa previsão se concretize, a principal região produtora do País terá pela primeira vez na safra 2015/16 um período de um mês praticamente sem paralisações. Vale lembrar que a segunda metade de julho também foi de baixa umidade no Centro-Sul, ao contrário da primeira, quando a moagem diminuiu mais de 25% na comparação anual.

Graficamente, os futuros iniciam agosto com suporte, portanto, nos 11,10 cents/lb, respeitados desde junho. Para cima, a resistência se mantém firme nos 11,50 cents/lb.

Na sexta-feira, outubro caiu 13 pontos (1,15%) e fechou em 11,14 cents/lb, com máxima no dia de 11,33 cents/lb (mais 6 pontos) e mínima de 11,12 cents/lb (menos 15 pontos). Março recuou 12 pontos (0,96%) e terminou em 12,40 cents/lb. Na semana, acumularam desvalorizações de 0,88% (menos 10 pontos) e de 1,35% (menos 17 pontos), respectivamente.

O spread outubro/março, que iniciara a semana passada em 133 pontos, encerrou sexta-feira em 126 pontos de prêmio para o segundo contrato da tela.

Pelo mais recente relatório da Comissão de Comércio de Futuros de Commodities (CFTC), fundos aumentaram o saldo vendido em açúcar em 14.987 lotes na semana encerrada em 28 de julho. A posição passou de 55.778 para 70.765 lotes.

O Indicador de Açúcar calculado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP) encerrou a sexta-feira em R$ 47,35/saca, baixa de 0,04% ante a véspera. Em dólar, o índice ficou em US$ 13,86/saca (-1,07%).


PUBLICIDADE FMC_VERIMARK_INTERNO FMC_VERIMARK_INTERNO

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x