Açúcar: Mercado

Depois de muito tirar, Índia agora dá suporte para açúcar acima de 14 c/lp


Money Times - 14 jan 2020 - 12:32

O açúcar conseguiu encontrar um suporte que poderá mantê-lo em patamares há muito não vistos na bolsa de commodities de Nova York. A safra da Índia, que há três ciclos derruba os preços, vem enfrentando dificuldades para perseguir o desempenho passado, o que se soma a outros fundamentos de recuo do disponível mundial.

O adoçante rompeu os 14 centavos de dólar por libra-peso, na sexta (10), quando fechou em 14.07 c/lp. Na quinta saiu em 13.71 c/lp, depois de ficar na franja dos 13 desde 4 de dezembro.

Nesta altura da segunda (13), o contrato março na ICE Futures vem sofrendo uma pressão de ajuste técnico, perto das 12h20 (Brasília), ficando entre igual ao último pregão ou em leve queda.

Colaborou, para a percepção do mercado que enxerga um déficit global, o relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), encurtando a oferta, avalia ainda Maurício Muruci, analista da Safras & Mercado.

Adiciona-se o Brasil passando por uma entressafra e embora as chuvas indiquem um bom período na safra 20/21 do Centro-Sul (a partir de abril), ainda não está definido claramente qual vai ser o mix. Nas duas últimas foi mais alcooleiro.

Índia

Nos dois primeiros dois meses do ciclo 19/20 indiano, o acumulado recuou 30% sobre novembro e dezembro de 2018, chama a atenção Muruci. Até final de dezembro, a produção foi de 7,7 milhões de toneladas.

Só na segunda quinzena do mês passado, quase 1 milhão/t de açúcar deixou de ser fabricada, baseado em dados das entidades das indústrias.

O clima derrubou muito as expectativas e os números revelam estatísticas que deverão encurtar o volume disponível da Índia para exportações, que até algumas semanas atrás girava na casa das 5 milhões/t.

Estados Unidos

O USDA divulgou relatório apontando que o país poderá 800 mil/t a mais sobre 18/19. Isso daria 3,8 milhões/t a serem buscadas no exterior.

A razão, segundo Muruci, é uma produção local menor, para 8,1 milhões/t (8,2 milhões/t no período anterior), além de estoques menos confortáveis.

Ou seja, os Estados Unidos surgem como outro destino para mais açúcar sobre um disponível que se mostra menor.