BASF
Açúcar: Mercado

Czarnikow reduz projeção de superávit de açúcar em 49%


novaCana.com - 05 set 2013 - 15:09 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53

O superávit global de açúcar deve ser 49% inferior ao previsto anteriormente, já que os preços baixos fazem com que a produção diminua e o consumo aumente, de acordo com o Grupo Czarnikow Ltda., que atende clientes em 83 países.

A produção de açúcar será 2 milhões de toneladas superior à demanda na safra 2013/2014, que começa em outubro na maioria dos países, declarou a empresa. A previsão anterior era de que o superávit fosse de 3,9 milhões de toneladas. A produção global deve cair 2,2% em relação à 2012/2013, enquanto o consumo deve crescer 2,3% este ano e mais 2% no ano que vem, estima a Czarnikow.

Os futuros de açúcar demerara em Nova York, com decréscimo de 16% em 2013, rumam ao terceiro ano de declínio. Os preços caíram quando os produtores do Brasil e da Australia expandiram as plantações, depois do preço recorde que o produto atingiu em fevereiro de 2011 – o mais alto valor em 30 anos. O preço spot da commodity é mais alto do que o mercado futuro, o que "não é consistente com as projeções de superávit", diz a empresa, que comercializou 2,4 milhões de toneladas de açúcar bruto e 800 mil toneladas de açúcar refinado no ano passado.

"A força do mercado spot indica que o abastecimento do mercado, ao invés de ter o desafio de encontrar consumidores, na verdade tem o desafio de atender à demanda que existe", diz Toby Cohen, um dos diretores da Czarnikow, que também comercializa etanol. "O balancete já está mudando. A diferença entre produção e consumo já diminuiu."

A produção global de açúcar deve ser de 181,8 milhões de toneladas, ante as 185,8 milhões de toneladas do período anterior e as 182,8 milhões de toneladas previstas inicialmente. Enquanto a produção a partir da beterraba deve cair para 34,3 milhões de toneladas, o menor volume desde 2010/2011, a feita a partir da cana diminuirá 0,6%, chegando a 147,5 milhões de toneladas, afirma a empresa.

Maior importação
A baixa nos preços do açúcar se reflete num aumento das importações do produto em países da Ásia, da Africa e do Oriente Médio. O consumo deve chegar a 175,2 milhões de toneladas este ano e a 178,8 milhões de toneladas em 2014, declara Stephen Geldart, um analista sênior da Czarnikow. Nos últimos 12 meses, as exportações de açúcar cresceram mais de 10%, com o retorno do mercado a "uma fase de grande crescimento no uso".

A produção de açúcar no centro-sul do Brasil, a principal região produtora do maior produtor de açúcar do mundo, será menor do que o estimado anteriormente, porque as chuvas registradas em julho fizeram com que as usinas voltassem a produção para o etanol e as geadas no Paraná e no Mato Grosso do Sul reduziram os rendimentos agrícolas, explica Geldart. Segundo a Czarnikow, serão moídas 585 milhões de toneladas de cana, que devem ser transformadas em 34,1 milhões de toneladas de açúcar. A previsão anterior era de que a moagem atingisse 595 milhões de toneladas e a produção de açúcar, 36 milhões de toneladas.

Baixos rendimentos
Na Europa, a produção terá um decréscimo de 5,8%, chegando a 16 milhões de toneladas em 2013/2014. Isso se deve a baixos rendimentos e a menores áreas plantadas, principalmente na Itália e na Alemanha. Na Australia, o terceiro maior exportador da commodity, a safra será de 4,5 milhões de toneladas, resultado semelhante ao do ano passado, e a produção sul-africana deve crescer 20%, para 2,6 milhões de toneladas, de acordo com a empresa.

Até às 8h04, em Nova York, o preço do açúcar demerara com entrega em outubro cresceu 0,3%, para 16,43 cents por libra-peso. Os preços, que caíram a 15,93 cents por libra-peso em 16 de julho, devem crescer até 18,30 cents no últimos três meses do ano, de acordo com uma pesquisa feita pela Bloomberg com analistas do setor.

"Com o mercado spot apertado e o balancete mais perto de um equilíbrio, a grande questão para o mercado é 'qual o valor justo para o açúcar hoje'", diz Geldart.

Isis Almeida (Bloomberg)
Tradução e adaptação: Vivian Faria - novaCana.com




Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail