BASF
Açúcar: Mercado

Movimentação de açúcar diminui, mas preços seguem firmes


Agência Estado - 08 dez 2015 - 10:43

A movimentação no mercado spot paulista de açúcar tende a diminuir neste mês, quando indústrias alimentícias costumam entrar férias coletivas. E já na primeira semana de dezembro, os volumes captados pelo Cepea nas negociações spot foram menores que em períodos anteriores. Os preços, por sua vez, seguiram firmes, mesmo com a demanda mostrando sinais de retração. As chuvas nas últimas semanas têm dificultado a produção do açúcar cristal Icumsa até 180 e, como usinas possuem contratos de entrega desse produto, a oferta fica restrita para o spot.

Na sexta-feira, o Indicador Cepea/Esalq do açúcar cristal cor Icumsa entre 130 e 180, mercado paulista, fechou a R$ 79,18/saca de 50 kg, alta de 1,11% em relação à sexta-feira anterior, 27 de novembro.

No mercado internacional, o enfraquecimento do dólar frente a moedas de importantes exportadores, como Brasil, Tailândia e Austrália, limitou a pressão vinda da oferta elevada no mercado na última semana. Além disso, chuvas nas regiões de cana-de-açúcar no estado de São Paulo deram suporte às cotações na Bolsa de Nova York (ICE Futures).

De sexta a sexta, o contrato nº 11 de açúcar demerara (Março/16) da ICE Futures subiu 3,41%, fechando a 15,48 centavos de dólar por libra-peso no dia 4. Em Londres (Euronext Liffe), o contrato de açúcar refinado com vencimento em Março/16 teve alta de 2,57% na semana, fechando a US$ 415,00/tonelada.

Mesmo com a alta dos preços do açúcar no mercado internacional, o mercado doméstico remunera mais que as exportações desde a segunda quinzena de outubro. De 30 de novembro a 4 de dezembro, a remuneração com as vendas de açúcar cristal no spot paulista foi 12,26% superior à das vendas externas. Enquanto a média semanal do Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq foi de R$ 78,65/sc, as cotações do contrato nº 11 da ICE Futures com vencimento em Março/16 equivaleriam a R$ 70,06/sc. Para esse cálculo, foram consideradas as médias semanais de US$ 50,79/t de fobização e US$ 53,97/t de prêmio de qualidade e R$ 3,815 de dólar.

O Indicador de Açúcar Cristal Esalq/BVMF referente ao produto posto no porto de Santos ou com custos equivalentes, sem impostos, cor Icumsa máxima de 150, que inclui vendas domésticas e para exportação, subiu 0,75% na semana, fechando a sexta-feira a R$ 78,74/saca 50 kg.

Já no mercado atacadista do estado de São Paulo, o Indicador de Cristal Empacotado fechou a R$ 9,0894/saca de 5 kg na sexta-feira, queda de 1,08% sobre a sexta anterior. O açúcar refinado amorfo fechou a R$ 2,1273/saca de 1 kg, elevação de 0,46% no mesmo período.

No Nordeste, as negociações envolvendo açúcar cristal continuam desaquecidas no spot e os preços, enfraquecidos. Segundo colaboradores do Cepea, enquanto compradores se mostram abastecidos, algumas usinas têm necessidade de “fazer caixa”. Com isso, muitas unidades diminuem os preços pedidos. Outras usinas ainda se mantêm firmes, atentas à possibilidade de a safra ser mais curta, por conta da forte seca na região nordestina.

Em Alagoas, o Indicador Mensal do Açúcar Cristal Cepea/Esalq foi de R$ 78,49/sc de 50 kg em novembro, alta de 10,38% em relação a outubro/15 e de 51,85% frente a novembro/14. Em Pernambuco, o Indicador Mensal foi de R$ 77,21/sc, aumento de 9,55% frente a outubro/15 e de 56,93% em relação a novembro/14. Na Paraíba, o Indicador Mensal de Açúcar Cristal Cepea/Esalq foi de R$ 80,31/sc, 17,33% superior a outubro/15 e 61,88% acima do de novembro/14.

No mercado de etanol, o Indicador semanal Cepea/Esalq do anidro combustível caiu 1,38% e o hidratado, 1,27% em relação à semana anterior. Frente ao açúcar cristal, que acumulou alta de 1,11% entre as duas sextas-feiras, cálculos do Cepea mostram que o açúcar remunerou 35,4% a mais que o anidro e 46,19% a mais que o hidratado.