Açúcar: Mercado

Analista do Rabobank aponta o que torna 2018 um ano desafiador para o mercado de açúcar

Estrategista global de açúcar do Rabobank, Andy Duff, detalha o contexto do Brasil e da Índia, aspecto essencial para a compreensão do quadro atual e para traçar as perspectivas para o futuro do comércio global de açúcar


novaCana.com - 26 jul 2018 - 09:38

O Brasil e o mix de produção das usinas de açúcar e etanol já foram uma das peças mais poderosas no quebra-cabeça do mercado mundial de açúcar. O país, no entanto, perdeu força frente a safras recordes vindas da Ásia e a um consequente superávit global, que pode beirar 20 milhões de toneladas, segundo estimativa da Green Pool para a temporada 2017/18 (outubro a setembro).

Mesmo com uma perspectiva mais moderada, o Rabobank – que recentemente projetou um excedente de 10,1 milhões de toneladas – é categórico em afirmar que 2018 será “bastante desafiador” para os dois maiores produtores de açúcar do mundo: Brasil e Índia.

O estrategista global de açúcar da instituição, Andy Duff, comenta as dificuldades que ambas as nações estão enfrentando.

Leia mais:

- Incertezas da safra brasileira
- Impacto da safra nos preços internacionais
- Bom momento dos canaviais indianos
- O dilema da precificação na Índia
- Pacote de medidas protecionistas na Índia


EXCLUSIVO ASSINANTES

O texto completo desta página está
disponível apenas aos assinantes do site!

VEJA COMO É FÁCIL E RÁPIDO ASSINAR