PUBLICIDADE
ARMAC
Açúcar: Mercado

Açúcar: Cotação internacional deve avançar pouco até 2018, diz Pessôa


Agência Estado - 26 ago 2013 - 16:24 - Última atualização em: 29 nov -1 - 20:53

Os preços do açúcar no mercado internacional devem alcançar 20 centavos de dólar por libra-peso em 2018, um avanço considerado discreto na comparação com os atuais níveis, entre 16,50 cents/lb e 17 cents/lb. A avaliação é do sócio diretor da Agroconsult, André Pessôa. 'Há uma modesta recuperação dos preços internacionais do açúcar, com entrada com mais força de China e Índia na importação', ponderou. O consultor apresentou suas projeções para o mercado de cana-de-açúcar no 3º Congresso Brasileiro de Fertilizantes, que ocorre nesta segunda-feira, 26, em hotel de São Paulo (SP).

Pessôa salientou as dificuldades enfrentadas pelo setor no País. Até 2018, ele espera uma redução dos investimentos e concentração do setor. 'Provavelmente precisaremos de duas safras adiante para voltar a uma situação que permita especulação sobre investimentos. Até lá, haverá uma consolidação do setor, daqueles grupos que têm capital para fazer investimento', disse.

Pessôa estima receita de R$ 18 a R$ 20 por tonelada de cana moída, mas lembra que a conta é de R$ 18 por tonelada para cobrir os custos. 'Esses R$ 11 por tonelada de cana moída que tivemos na última safra claramente não foram suficientes para fechar as contas', afirmou. 'Vínhamos no nível de R$ 18/t, graças ao açúcar. O álcool não paga a conta em 6 ou 7 safras', complementou. Só que a redução dos preços do açúcar fez com que o mercado se voltasse para uma safra mais alcooleira nesta temporada.

O consultor projetou uma safra de 800 milhões de toneladas de cana-de-açúcar na safra 2018/19, mas avaliou que a tendência é de que a produção de etanol caminhe para safras mais dedicadas ao álcool anidro, que é misturado à gasolina, se não forem feitos reajustes no preço da gasolina.

Se houver um aumento do preço do combustível derivado do petróleo, o etanol poderia representar 32% do combustível usado nos carros flex no ciclo 2018/19. Hoje o nível é de 26%. Na avaliação de Pessôa, se o cenário de preços depreciados persistir, em cinco anos o etanol representará 20% do mercado de carros flex.


PUBLICIDADE FMC_VERIMARK_INTERNO FMC_VERIMARK_INTERNO

Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail

PUBLICIDADE
STOLLER
x