Açúcar: Exportação

Porto de Paranaguá retoma gradualmente as operações após temporal


Reuters - 02 jul 2020 - 07:35

As operações no Porto de Paranaguá, um dos principais do Brasil para embarque de grãos e açúcar, estão sendo retomadas gradualmente após danos causados por um temporal e ventos fortes, que arrastaram dois carregadores em dois berços de atracação (204 e 214) na terça-feira, informou a autoridade portuária nesta quarta-feira.

Segundo uma nota do porto paranaense, a energia elétrica foi restabelecida pela Copel por volta das 13h desta quarta-feira, permitindo que as atividades pudessem ocorrer, apesar dos danos, na maior parte dos berços.

De acordo com a diretoria de operações de Paranaguá, o berço 214 (um dos três do Corredor de Exportação) ainda pode operar com um dos outros equipamentos disponíveis e não danificados, o que deve ocorrer ainda nesta quarta-feira – cada berço do corredor opera com dois “shiploaders”.

No berço 204, o navio que está atracado para carregar açúcar poderá ser desatracado se não for possível que o equipamento danificado volte a operar em breve. Dessa forma, disse o porto, o local poderá então ser disponibilizado para outras embarcações (para movimentação de outros produtos, como granéis de exportação ou carga geral).

A administração portuária disse ainda que os berços do cais público (201, 202, 205, 206, 208, 209, 211, 212 e 213) não sofreram nenhum dano, nem na estrutura nem nos equipamentos, e estão retomando as operações aos poucos.

Para os berços 215, 216, 217 e 218, destinados às operações de veículos, carga geral e contêineres, a previsão é que voltem a operar até o final desta quarta-feira.

Os operadores de granéis líquidos (nos berços 141, 142, 143 e 144) já retomaram as operações. Porém a empresa que utiliza o píer, dos berços 200 e 200A, ainda aguardava o vento – que continuava forte – passar, disse a nota do porto no começo da tarde.

Mais cedo, agências marítimas haviam indicado o problema, enquanto o porto ainda levantava os danos.

Além de Paranaguá, o porto vizinho de Antonina também foi atingido pelo vendaval. Segundo a TPPF, empresa arrendatária que opera Antonina, o terminal estava sem energia.

A administração portuária disse que os fortes ventos e o temporal que atingiriam os Litoral Sul do país, incluindo a costa do Paraná, paralisaram as operações totalmente por volta das 17h de terça-feira, quando houve a queda da energia.

Por precaução, alguns terminais já haviam optado por parar as atividades para evitar danos e maiores riscos.

De acordo com dados do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar) citados pelo porto, o pico das rajadas de vento ocorreu por volta das 17h15, quando elas alcançaram velocidade de 83 km/h em Paranaguá.

Segundo o Simepar, o litoral do Paraná ficou na periferia da passagem do ciclone extratropical (área de baixa pressão), que teve o epicentro no litoral sul de Santa Catarina e litoral norte do Rio Grande do Sul.

Itajaí

O porto de Itajaí, em Santa Catarina, também esteve entre os afetados pelo fenômeno climático. De acordo com nota divulgada pela superintendência portuária local nesta quarta-feira, a passagem do ciclone fez com que a barra do rio Itajaí-Açú fosse declarada impraticável.

Com isso, as entradas e saídas de navios pelo canal de acesso ao complexo portuário de Itajaí e Navegantes foram canceladas até que as condições de vento e navegação voltem a limites seguros.

O decreto de impraticabilidade foi publicado pela Delegacia da Capitania dos Portos de Itajaí ainda na tarde de terça-feira, quando os ventos no local atingiram aproximadamente 46 km/h.

A superintendência portuária da cidade catarinense disse que monitora as condições climáticas e aguarda liberação para que as manobras sejam retomadas, acrescentando que atividades administrativas e operacionais não foram afetadas.

Roberto Samora, Ana Mano, Gabriel Araujo e Marcelo Teixeira


Acompanhe as notícias do setor

Assine nosso boletim

account_box
mail