Vignis, especializada em cana-energia, entra em recuperação judicial

Problemas na administração e cancelamentos de contratos impediram a realização de novos investimentos. Administradora judicial tem 60 dias para apresentar plano de recuperação

O Grupo Vignis, referência em biotecnologia voltada ao setor da cana-de-açúcar desde 2010, entrou com um pedido de recuperação judicial no dia 4 de junho e recebeu seu deferimento na última semana.

O grupo tinha grandes expectativas de produção para a safra atual, mas dificuldades na administração do projeto e o cancelamento de contratos com grandes empresas sucroenergéticas impediram a realização de novos investimentos. A Vignis, então, decidiu entrar com um recuperação judicial no valor de R$ 10 mil.

Com o pedido, o empresa quer encontrar novas perspectivas e reformular seu modelo de gestão de negócios a fim de obter lucros para a manutenção das atividades.

A Vignis tem 60 dias a partir da data da sentença para apresentar o plano de recuperação para deliberação dos credores.

Confira na versão completa:

- Empresas tiveram contratos com a Vignis quebrados
- O que levou a Vignis a pedir a recuperação judicial
- Próximos passos e manutenção das atividades
- Histórico da companhia

O texto acima é apenas uma breve introdução. Para ver esta página completa clique aqui e assine.

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar

Etanol e Cana direto em seu email

Antes de sair, cadastre-se para receber as principais notícias do setor
Obrigado, não quero ficar informado.
Esqueci minha senha close modal