Frases em destaque do Ethanol Summit 2017

O etanol precisa ser criado com viés mais internacional do que vem sendo tratado agora. Eu diria que ele [o veículo elétrico] não vai falhar. Mas ele vai demorar Se a gente enrolar, o RenovaBio só sai em 2025 Nos próximos 10 anos, precisamos aumentar a participação de etanol, aumentar a importação de gasolina ou aumentar a capacidade de refino. O mais provável é que aumente a importação de gasolina A gente fala como se o veículo elétrico fosse uma coisa e o veículo a combustão fosse outra. Há muita coisa entre os dois A sustentabilidade passou a ser um critério de mercado. Com o RenovaBio, você tira as influências das variáveis macroeconômicas de uma política setorial. Isso é um conceito muito bom A notícia do RenovaBio deve aumentar o preço do açúcar no mercado futuro O Brasil tem duas agendas: a da UTI e a da produtividade. A da produtividade ainda anda muito devagar Eu nunca vi um setor homenagear um ministro antes do benefício esperado acontecer. Premiando as rotas mais eficientes, acho que conseguimos chegar à meta dos 50 bilhões de litros, que é a meta do NDC A Cide não é solução para o setor. Mas, com a queda na inflação, esse cálculo passa a ficar mais favorável. É complicado mexer em impostos, mas a Cide até que faria sentido Reza a lenda que o MME vinha muito nesse evento e comemorava quando era vaiado O Brasil – que está ávido por energia – é um nicho para investidores com visão de médio e longo prazo A agenda do governo é pagar conta, não socorrer setor nenhum. Não tem agenda e não tem dinheiro para isso. É mais barato comprar uma usina que investir em projetos de greenfield. Uma nova usina sai por US$ 120 por tonelada e hoje você consegue comprar uma já funcionando por US$ 40 ou 50 por tonelada. Eu sinto nos meus negócios que o país está se estabilizando, melhorando pouco, mas melhorando. Três medidas são importantes para atrair investidores e aumentar a capacidade, uma é diferenciação tributária a nível federal do biocombustível de cana. ” - Elizabeth Farina Nós acreditamos que hibridizar o motor flex vai ser um agente extremamente positivo. A nossa visão é combinar as duas tecnologias, mas não posso falar quando Nós não temos essa visão de que o elétrico vai ser a totalidade do futuro, mas nós acreditamos na eletrificação. Em 2050, o motor de combustão interna pode usar muitas formas de combustíveis. Todos os veículos serão, de algumas formas, eletrificados. A matriz será muito diversa e o consumidor vai ser rei em sua decisão O futuro do transporte é a motorização elétrica. Disso não há dúvida No Brasil, a infraestrutura do etanol é muito valiosa e vai retardar o avanço do carro elétrico Vamos seguramente enxergar isso na década que vem: um aumento tanto da produção de biocombustíveis quanto de refino de petróleo Acho que 17% sobre os importadores pode ser uma solução emergencial e não estrutural, pois não sei se aguentamos jogar esse jogo por muito tempo A questão da taxação do etanol importado tem sido tratada por outros ministérios. Se ela vier, será bem-vinda”, William Waack (sobre a homenagem da entidade ao ministro Fernando Eu falei com o Pedro Parente e ele está de acordo com o programa. Ele aprova o RenovaBio. Não se trata de competir, há espaço para todo mundo. O Renovabio não depende apenas do MME, existem outros players governamentais envolvidos. Em poucos dias devemos retirar o ‘se’ das perguntas do setor sobre o Renovabio e fazer com que ele se torne uma realidade O etanol tem esse efeito multiplicador da economia? Então vamos olhar os números. Espero que o governo brasileiro saiba responder na velocidade necessária nesta questão do RenovaBio. Temos convicção de que precisamos de uma abordagem holística para dar mais acesso a mercados, criando um maior impacto em nossa capacidade de penetração. Há desafios internos, mas existem também aqueles desafios externos para o setor, como os fortes bloqueios em lugares como na União Europeia, que levantam a bandeira da sustentabilidade, mas criam barreiras injustificadas para o produto brasileiro. O setor passa por um momento ruim e preocupante, sem conseguir superar as cicatrizes deixadas pela crise de 2010.” - Elizabeth Farina Vai ter muito milho barato no Brasil e por muito tempo. Podemos aumentar e muito a produção de etanol de milho Para o agro seria muito ruim reabrir a lei [do código florestal] Os três setores que tem mais potencial no Brasil para emissão de títulos verdes são: energia, agricultura e infraestrutura. Os três são relevantes para o setor sucroalcooleiro Estamos na fase de implementação dessas estratégias [da NDC]. A regulamentação do Acordo de Paris ainda vai demorar um tempo até ser implementada. Ela vai demorar até 2018 e, em alguns setores, 2019. A ideia é que o Acordo de Paris comece a partir de 2020 É uma felicidade ver que um documento simples como a NDC pode direcionar a economia No setor de energia, a ideia principal [da NDC] é aumentar a participação de energias renováveis. Já foi dito que aumentar essa participação de 42% em 2012 com 45% em 2030 é uma meta muito pequena. Mas é preciso considerar que a economia em 2030 será muito maior

Etanol e Cana direto em seu email

Antes de sair, cadastre-se para receber as principais notícias do setor
Obrigado, não quero ficar informado.
Esqueci minha senha close modal