“Se eu tivesse perguntado às pessoas o que elas queriam, teriam me dito: ‘cavalos mais rápidos’”. Esta famosa frase foi supostamente dita pelo inventor Henry Ford, antes de apresentar o primeiro carro do mundo.

novaCana.com 22 dez 2017 - 15:12

Nos últimos anos, esta mesma pergunta – “o que vocês querem?” – foi feita várias vezes para o setor sucroenergético. A resposta mais comum dada pelas usinas não mudava: queremos o aumento da CIDE sobre a gasolina. A Cide é o imposto que eleva o preço da gasolina, aumentando a arrecadação do governo e a margem das usinas com o etanol.

Mas esse pedido do setor sucroenergético não fazia muito sentido. Elevar a Cide era repetir uma solução antiga na esperança de que o resultado fosse diferente.

Ao invés de entregar "imposto mais rápido", a turma do Departamento de Biocombustíveis do MME pensou em algo novo: o RenovaBio. Um programa projetado para a realidade brasileira, que permitirá o aumento da capacidade de produção de biocombustíveis ao mesmo tempo em que estimulará a competição entre as usinas. Esses estímulos são apenas o meio para atingir o objetivo final do Renovabio: diminuir as emissões de CO2 do Brasil, contribuindo para a diminuição dos efeitos do aquecimento global.

Por ser inovador, o RenovaBio só conseguiu ser aprovado na Câmara dos Deputados e no Senado Federal graças ao esforço conjunto de muitas pessoas. Entre elas, estão usineiros, empresários, políticos, dirigentes e muitos outros que entenderam que o RenovaBio é uma boa ideia e por isso se empenharam para que ela acontecesse.

Mas nada disso seria possível se não fossem 10 pessoas. Foi da cabeça desse time de notáveis que fazem parte da equipe do Departamento de Biocombustíveis do MME (veja imagem abaixo) que a ideia do RenovaBio surgiu. E fizeram isso quando ninguém pensava em algo semelhante ou cogitava uma iniciativa dessa magnitude.

Daqui algumas décadas, é possível que essas pessoas sejam esquecidas ou ganhem apenas uma nota no rodapé da História. Mas é preciso registrar hoje a importância delas nessa virada de página que o setor de biocombustíveis dará nos próximos anos.

Para isso, o novaCana pediu para fazer uma foto com toda a equipe do MME, que com suas ideias, permitiram ao setor esta nova perspectiva. Os 10 profissionais retratados abaixo mostraram que é possível pensar grande, inovar e levar desenvolvimento econômico com maximização do benefício à sociedade e ao planeta.

Passe o mouse sobre a imagem abaixo para ver os nomes e cargos deles:

Miguel Ivan Lacerda de OliveiraDiretor de BiocombustíveisPaulo Roberto Machado Fernandes CostaAnalista de InfraestruturaRicardo Borges GomideEspecialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental / Coordenador-Geral de Biodiesel e Outros BiocombustíveisPatricia Braganca SoaresSecretária Artur Friedrich Dufrayer SchutteEstagiárioLuciano Costa de CarvalhoEspecialista em Políticas Públicas e Gestão GovernamentalMarcus RochaEspecialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental Marcos SantanaEspecialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental Gustavo Luis de Souza MottaEspecialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental Marlon Arraes Jardim LealEspecialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental / Coordenador-Geral de Etanol

A foto, feita a pedido do novaCana, foi tirada no início desta semana. Infelizmente, dois outros integrantes da equipe não conseguiram participar da foto, mas igualmente estiverem envolvidos em todo o trabalho do MME com o programa. São eles: Marlon Arraes Jardim Leal – Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental / Coordenador-Geral de Etanol e Gustavo Luis de Souza Motta – Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental

Julio Cesar Vedana, diretor de redação do novaCana