Rabobank: a paridade do etanol brasileiro não é mais um indicador dos preços do açúcar

“A paridade do etanol perde o seu lugar de indicador tradicional para os preços do açúcar durante a colheita no Centro-Sul do país”. A conclusão é do banco holandês Rabobank, em relatório trimestral sobre o mercado mundial de açúcar, divulgado em março.

Segundo o banco, o Brasil não conseguirá resolver sozinho o desequilíbrio entre oferta e demanda mundial de açúcar a partir da redução da produção do adoçante em detrimento do etanol, mesmo tendo a liderança na produção mundial de açúcar.

Isso significa que, mesmo com a previsão de que a produção nacional cairá de 4 a 5 milhões de toneladas na atual temporada, o impacto será pequeno no cenário mundial. Ainda segundo o banco, a produção global caminha para o segundo superávit seguido, de 4,4 milhões de toneladas, no ano-safra global 2018/2019.

O cenário analisado ainda envolve o equilíbrio entre a oferta e a demanda de etanol. Só no primeiro bimestre de 2018, as vendas do hidratado foram 49,3% acima das registradas no mesmo período do ano passado, chegando ao recorde de 2,62 bilhões de litros.

O novaCana apresenta a seguir os detalhes da avaliação do banco envolvendo a previsão de moagem, mix de produção e os demais fatores relacionados ao etanol.

O texto acima é apenas uma breve introdução. Para ver esta página completa clique aqui e assine.

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar

Etanol e Cana direto em seu email

Antes de sair, cadastre-se para receber as principais notícias do setor
Obrigado, não quero ficar informado.
Esqueci minha senha close modal